10 desfiles memoráveis da chanel pelas mãos de karl

19.02.19 | Moda


 

Acordamos nesta terça-feira com a triste notícia do falecimento de Karl Lagerfeld. Aos 85 anos, o designer trabalhava incansavelmente apresentando ao menos seis coleções anuais para a Chanel e a Fendi, marcas dais quais era diretor criativo. A imaginação do Kaiser parecia não ter limites e mesmo com tanta demanda sobre sua criatividade, sua cabeça parecia ser uma fonte inesgotável de criações. À frente da Chanel Karl promoveu uma verdadeira revolução, trazendo seus ideais modernos sem ferir a herança de peso da label. Sob seu comando, a Chanel se reinventou e se tornou uma das marcas mais valiosas do mundo, ocupando um nível de importância muito mais alto do que qualquer outro nome do circuito. Vamos relembrar a trajetória de Karl na maison em dez dos mais icônicos desfiles desde 1983, quando assumiu o posto de diretor criativo da marca. Uma ressalva se faz necessária: não colocamos aqui nenhum desfile de alta-costura simplesmente porque todas as coleções couture da Chanel são fantásticas e é impossível promover uma seleção. Aqui nós compilamos os desfiles das coleções ready-to-wear, cruise e metiers d’art, que se tornaram verdadeiros acontecimentos ao redor do mundo, com cenografias dignas de produções hollywoodianas, além de possuir conceitos políticos e culturais importantes.

 

 

Todos os desfiles da Chanel dos anos 90 merecem ocupar uma posição nesse tributo. A época das supermodelos e de diversos movimentos culturais que viriam revolucionar nossa estética para sempre foi materializada por Karl de maneira sublime. A cena rave e os clubbers, as socialites da Rodeo Drive, a ascensão dos movimentos negros, como o Hip-hop e o graffiti e, claro, o grunge foram alguns dos cenários que ocorriam na época e que foram traduzidos por Karl bem ao estilo Chanel.

 

 

O desfile da temporada fall 2010 foi um marco pelo fato de que pela primeira vez a Chanel não usaria pele verdadeira em suas criações. O defile aconteceu em torno de um iceberg gigante colocado no meio da passarela para alertar sobre o aquecimento global. O iceberg de fato foi derretendo durante a apresentação, molhando as exageradas botas de pelo fake que as modelos usavam. A coleção chegou a ser considerada feia pela crítica, mas Karl provou o seu ponto: poderia vender qualquer coisa que criasse. Os números dessa geleira particular são impressionantes: o iceberg tinha 5.300 m3; foram necessários seis dias e 35 escultores para dar forma ao gigante de gelo; o grand palais foi transformado em uma caixa hermética que mantinha a temperatura em torno de 0 graus; 240 toneladas de neve foram usadas para o ambiente.

 

 

A coleção Paris-Bombay foi o que pode se chamar de fashion extravaganza, com direito a um banquete suntuoso, enormes lustres de cristais e criações tão luxuosas quanto o cenário. A coleção representa, na visão de Karl, a interpretação de Paris sobre as vestimentas indianas o que resultou em uma mistura de ostentação e refinamento que poucos estilistas conseguiriam fazer acontecer.

 

 

A coleção cruise 2019 foi um verdadeiro deleite. Criações, fáceis, possíveis e extremamente sofisticadas que materializavam bem o espírito de uma coleção resort – feita basicamente para as clientes endinheiradas que irão escapar do frio do hemisfério norte em destinos mais quentes. Mas como tudo que ronda o mundo Chanel criado por Karl, simplicidade completa está fora de questão e na passarela foi colocado um enorme navio batizado de La Pausa, o refúgio que Gabrielle Chanel construiu nos anos 30 no litoral francês.

 

 

E já que o assunto são as construções gigantes que davam o tom para os desfiles da Chanel, que tal ir além e construir todo um prédio para abrigar uma apresentação? Pois foi isso que a Chanel fez em sua coleção cruise 2015, onde não apenas uma estrutura, mas um verdadeiro centro de luxo foi erguido do zero em Dubai para que quase 90 criações fossem desfiladas. Criações essas com fortes referências do oriente, com calças ao estilo Aladin, túnicas ricamente bordadas e muitos adornos dourados para combinar com a riqueza do local.

 

 

A visão de futuro de Karl nunca foi tão longe quanto na apresentação da coleção fall 2017. Um foguete de proporções quase reais foi colocado no meio do Grand Palais e ao final da apresentação descobrimos que a alegoria não só funcionava, como também fez um pequeno lançamento. Na passarela, estampas de astronauta, mantas prateadas e cabelos ao estilo anos 60 confirmavam as influências retrô/futuristas de Karl. Foi nesse desfile, aliás, que o hit das botas de montaria com glitter começou e foi exaustivamente copiado por inúmeras marcas.

 

 

Um mercado inteiro, só com produtos Chanel. Sim, você leu certo: mercado. O cenário da coleção fall 2014 foi realmente impressionante já que absolutamente todos os produtos daquelas prateleiras fictícias levavam o selo Chanel, da água ao ketchup. Foi nesse desfile também que fomos presenteados com algumas das bolsas mais divertidas e controversas já vistas na Chanel, como o cesto de mercado e a caixinha de leite.

 

 

A moda e o ativismo mal começavam a conversar quando Karl fez uma coleção inspirada pela marcha feminista que tomou Paris em 1968. A rua da manifestação da Chanel foi fielmente recriada em cada detalhe, do asfalto gasto aos vidros das janelas dos apartamentos. As criações demonstravam a força do movimento que estava para ganhar o mundo nos anos seguintes, especialmente porque grande parte delas abraçou a ideia da neutralidade de gênero. Ao final do desfile, modelos icônicas como Cara Delevigne e Gisele Bundchen lideraram a manifestação com direito a palavras de ordem ditas no megafone e cartazes com dizeres sobre a igualdade de gêneros. Mais uma vez, Karl concebeu o futuro de forma certeira!

 

Cuba mal tinha anunciado os passos que levariam para a flexibilidade política e econômica do País e Karl já havia decidido que sua coleção resort seria apresentada lá. Em um momento para ficar para a história, cuba viu um mar de celebridades aterrissarem na ilha para atenderem a um evento de proporções jamais vistas no local. O desfile foi fiel à atmosfera de férias, com deliciosas criações que remetiam ao lifestyle do povo que o recebeu. O show foi armado em uma larga rua de Havana e o próprio lugar, com suas casas coloridas e seus carros antigos, serviu de cenário para a apresentação. Épico!

 

 

Apresentada em outubro do ano passado, a coleção spring foi uma das mais bonitas já feitas por Karl, mas além das roupas e dos acessórios magníficos, a praia idealizada pelo designer foi um verdadeiro show à parte. Com toneladas de areia clara e ondas reais, o desfile se tornou ainda mais especial porque foi uma das suas últimas aparições. Mais uma apresentação que nos faz duvidar se há limites para a criatividade de Karl e sua capacidade de tornar sonhos em realidade.

 
____________________________________________________________________________________________________________
 

Não conseguimos achar as palavras corretas para terminar este post. O que Karl fez se compara ao legado que grandes gênios da história da humanidade deixaram e pessoas assim não morrem. Karl e seu trabalho serão eternos e nós só podemos agradecer de termos tido o privilégio de viver ao mesmo tempo neste plano para que pudéssemos testemunhar sua grandiosidade.

 

deixe seu comentário



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *