Reformulação extrema – Marcas que estão de olho no poder da Gen Z

02.12.20 | It girl


 

Muito se tem falado sobre a Geração Z – aquela pós millennials nascida a partir de meados dos anos 90 até a última década – e sobre como é possível alcançá-los em termos de consumo. O que se sabe sobre este grupo é que, diferente da geração anterior, seu poder de adaptação frente às demandas de trabalho é muito maior, já que eles não acreditam em viver apenas de um tipo de profissão – o que se mostra uma vantagem inegável diante da crescente crise de emprego que assola o mundo pós-pandêmico. Além disso, eles encaram assuntos que as gerações anteriores consideram como Tabu de maneira muito natural e sua capacidade de inclusão, senso de equidade e empatia são muito mais aguçados. Como uma geração que nasceu sob forte influência da tecnologia, tudo acontece mais rápido; eles são ativos nas redes sociais e as usam para informação e disseminação de ideias geralmente ligados a dilemas e demandas sociais da atualidade. Eles também não acreditam em perfeição. São bem mais realistas em relação ao futuro, criam e consomem imagens que legitimam essa ideia de imperfeição, questionam e repudiam padrões conservadores e prezam pelo estilo próprio através de história, experiência, consciência ambiental, performance e conforto. Sabendo dessas informações, como é possível promover um apelo às demandas dos GenZers? Vimos nesta última temporada de desfiles que diversos nomes, inclusive alguns bem tradicionais, promoveram uma reformulação radical em suas linhas criativas com um intuito claro de alcançar a geração Z. Mas porque?

 

 

Sabendo das características desse novo consumidor, podemos pensar que o rejuvenescimento da imagem de algumas marcas pode ser mais sobre adaptação diante da mudança do poder econômico para gerações mais jovens. E a mudança é significativa, acredite. Com novos meios de se ganhar dinheiro, imagine quanto uma geração que nasceu conectada é capaz de produzir, sabendo desde sempre sobre a linguagem das redes e seu poder de influência. Não se engane, no final das contas, marcas são empresas e empresas precisam de lucro. Além do poder aquisitivo motivado por novas frentes de trabalho, representadas pelos conteúdos gerados através de redes sociais, temos também o poder de influência. A geração Z consome o que atinge os seus ideais e ninguém melhor do que um próprio GenZ para exercer influência entre os seus. Quando vemos a atriz Zendaya nas primeiras filas dos desfiles ou a cantora Billie Eilish com marcas importantes dos pés à cabeça nos tapetes vermelhos de grandes premiações, não é por acaso. Essas são duas das representantes mais expressivas da GenZ, das suas prerrogativas e da imagem que ela deseja consumir.

 

 

 

A combinação entre poder aquisitivo alto e grande capacidade de influência é imbatível e é justamente por essa junção que a GenZ vem recebendo as atenções de marcas tradicionais da indústria. E não pense que isso é ruim. Essa adaptação ainda conta com certas vantagens para a sociedade. Sendo essa uma geração ligada a problemas sociais, que busca enaltecer a diversidade e quer experiências ao invés do consumo vazio, grandes nomes do mercado se forçam a buscar soluções mais sustentáveis paras seus produtos, a abraçar corpos e mentes diversos para seus desfiles, campanhas, cargos etc., a produzir roupas corretas, que não tenham origem no trabalho escravo ou análogo à escravidão, por exemplo, que não sejam produzidas com matéria-prima que acirra o desmatamento e por aí vai. A adaptação ocorre em todas as áreas. É preciso seguir em frente e reconhecer a importância de gerações mais jovens em especial esta, que chega para desafiar velhos códigos, quebrar a barreira do “comum” e, claro, consumir o novo luxo – muito mais engajado e alinhado com as demandas contemporâneas da sociedade.

AM/PM por Paula Martins – Em casa com Ana Raia | Ciclos, transições e quarentena

26.11.20 | Vídeos


 

No retorno do canal AM/PM, tivemos uma conversa inspiradora com a coach de vida e carreira, especialista em desenvolvimento humano professora de Yoga, palestrante, mãe e minha amiga pessoal Ana Raia. Em um papo descontraído que teve como cenário o delicioso jardim de sua casa, Ana fala sobre carreira, objetivos de vida, ressignificação, ciclos, realizações, maternidade e, claro, suas experiências em tempos de isolamento social. Assista a entrevista na íntegra abaixo:

 

A alegria do vestir como guia para o visual pós-pandêmico

13.11.20 | Lifestyle Moda


 

Estivemos isolados por muito tempo e, na verdade, os dias de confinamento social não só não foram totalmente suprimidos como ainda podem voltar a ser uma realidade em tempo integral, a exemplo do que aconteceu na Europa. Com tanto tempo em casa, o vestir se tornou algo muito atrelado à necessidade de conforto – físico e mental. Com exceção de alguma atenção para a parte de cima do corpo, com acessórios ou peças mais elaboradas e um talvez um mínimo de maquiagem para aparições um pouco mais cuidadosas nos dias de reuniões virtuais, a verdade é que o look do dia não fazia mais parte das nossas prioridades e se tornou simplesmente uma obrigação diária que não nos exigia muita reflexão frente a preocupações muito maiores que vieram com o advento da pandemia. No entanto, a vida inevitavelmente se adapta e volta ao normal, mesmo que esse normal não seja parecido com o que estávamos acostumados. Sair do acolhimento do lar em um momento tão delicado pode, sim, ser uma experiência um tanto quanto desafiadora e isso reflete na nossa comunicação visual, ou seja, nosso estado de espírito se manifesta, também, na forma como nos vestimos. As coleções da temporada spring 2021 mostram que o ato de se vestir não precisa se tornar mais um obstáculo e tampouco deve sacrificar o conforto.

 

 

 

 

É certo que diante de uma profusão de conjuntos de moletom usados de forma incansável, muitas pessoas querem voltar a se arrumar e temos movimentos nesse sentido também. Exageros, abundância e design efusivo para quem quer ser notado ao colocar os pés na rua e, na outra ponta, o conforto sofisticado para quem não abre mão do estilo mas ainda quer sentir a segurança que só um suéter de lã feito a mão é capaz de proporcionar. Essa mistura entre acolhimento e requinte formata o movimento da alegria de voltar a se vestir. Muitas marcas se utilizaram desse combo em suas novas coleções e vimos as peças que remetem ao visual confortável para se ficar em casa aliadas a outras mais nobres, construindo um novo estilo hi-low. As características principais desse movimento implicam em modelagens desprendidas, tecidos leves, porém distintos, styling sem grandes intervenções, mas com detalhes suficientes que demonstrem informação de moda, texturas simples misturadas com tramas mais elaboradas, o casual encontrando o refinamento.

 

 

 

 

Nos novos tempos, o ato de se vestir deve ser, acima de tudo, leve. A proposta aqui é vestir-se para se sentir bem, sem distinções entre o que é a roupa de sair e a de ficar em casa.

 

 

Por trás do estilo de KAMALA HARRIS

12.11.20 | Get Inspired By Lifestyle Moda


 

Kamala Harris é advogada, tem um currículo invejável, possui uma vida pública ilibada e recentemente foi eleita vice-presidente dos Estados Unidos. A primeira vice-presidente mulher e negra na história do País. Mas os motivos para a admirarmos não param por aí. Observando as aparições e os discursos potentes de Harris, podemos perceber também que ela desafia os velhos códigos do que se espera de uma imagem formal. Quando olhamos as mulheres do universo da política e dos cargos públicos, nos deparamos com figuras engessadas, tradicionais ao extremo e sem muita graça. Imagens assim passam uma sensação de distância e é justamente isso que Harris parece querer mudar. Afinal, servidores públicos, como o próprio nome sugere, estão em seus cargos para servir aos interesses do povo, portanto, a ideia de uma imagem fria e inacessível não parece ser coerente com o trabalho.

 

 

 

Claro que certos códigos formais ainda são levados em conta nos momentos públicos. Afinal, estamos tratando de um dos cargos de maior importância do mundo. Mas para Harris, importante não significa inalcançável. A imagem da vice-presidente, com sua alfaiataria simples, peças de cunho mais casual, como jaquetas e calças jeans, parkas utilitárias, camisas amplas e um bom e velho Converse fechando a produção junto com um sorriso acolhedor, nos passa uma sensação confortável de alcance e de familiaridade. E, se as pessoas se identificam de alguma forma com uma figura pública, com uma marca, com uma empresa etc., as chances de sucesso e aprovação são maiores. Existe também o fato do governo anterior. Sem entrar no mérito de questões políticas, o republicano Donald Trump junto com a primeira-dama Melania não faziam questão de ser muito simpáticos. A imagem do casal Trump era gélida, desprovida de carisma e por vezes polêmica. Harris, por sua vez, sabe do poder de um visual bem contruído, afinal roupa é também comunicação. A aparência da vice-presidente eleita emana a mensagem de novos tempos. Tempos que se distanciam dos preceitos do governo anterior e servem ao interesse da maioria.

 

 

 

A figura de Harris com sua casualidade sofisticada tem o poder de causar aproximação entre o povo e a política e de estreitar esse laço que por muito tempo se manteve desigual e afastado. Vice-presidente de uma das maiores potências mundiais, sim, mas com os pés no chão.

 

Verão 21 | Lenço de vestir

05.11.20 | Moda Tendências


 

Os lenços podem ser um complemento importante do visual, especialmente os que chamam mais atenção pela cor, estampa, textura ou pelo próprio tamanho. Mesmo as produções mais básicas podem ganhar outro nível com essa peça colocada displicentemente em volta do pescoço. Mas o que as passarelas da temporada verão 2021 mostraram para nós é que os lenços podem ter a função de peça principal do look, seja em itens que imitem suas características ou pelos próprios lenços que podem ser amarrados e se transformarem em vestidos saias e blusas. A otimização do armário é um assunto que sempre está em alta e esta com certeza é uma maneira arrojada de aumentar as possibilidades do seu visual. Inspire-se nos desfiles e em como o movimento foi para as ruas:

 

S/S 2021 VII – Naked Look

30.10.20 | Look da Paula


 

Em alguns de nossos relatórios feitos no período de isolamento social, percebemos que as peças que sugerem a proteção do corpo ganharão cada vez mais espaço no mercado. Durante esta temporada, no entanto, notamos que essa necessidade de proteção ainda persiste, mas pode ser alcançada mesmo com a exibição deste corpo através, principalmente, da transparência. Vestidos longos, mangas compridas, golas altas, sobreposições e demais características que servem neste movimento de proteção corporal são misturadas com matérias-primas leves e cristalinas que permitem a revelação de uma boa parte da silhueta. Abrigada, porém à mostra, é a diretriz do movimento. Vamos pensar o quanto já andamos cobertos. Nossos rostos escondidos por máscaras, nossos corpos protegidos das baixas temperaturas e do contato físico em tempos de risco de contaminação, para as mulheres, a ideia do abrigo que as roupas mais modestas proporcionam contra um eventual cenário de assédio etc. Estas são apenas algumas situações que demandam uma silhueta mais protegida e é absolutamente normal que queiramos contorna-las, na medida do possível, seja em razão de temperaturas mais altas, de ocasiões que nos tentam a um estilo mais sensual, ou apenas para desafiar comportamentos machistas e ocupar espaços com nossos corpos à mostra. O movimento propõe driblar a proteção incondicional da silhueta através da transparência. Olhar o próximo e permitir ser olhado.

 

S/S 2021 VI – Phone Case

29.10.20 | Look da Paula


 

Nós falamos na semana passada a respeito do movimento das bolsas gigantescas, que sugere o alcance de tudo que for necessário para tocar a vida profissional e pessoal que andam cada vez mais juntas (caso tenha perdido, clique aqui). Em contrapartida, temos este movimento das bolsas que lembram as capas dos celulares. Seu tamanho diminuto e sua forma estruturada insinuam justamente o oposto: carregar somente o imprescindível. O próprio design da bolsa indica que o aparelho celular é um destes objetos imprescindíveis para o dia a dia. Tudo, afinal, pode ser revolvido através destes objetos e, mais uma vez, vida pessoal e profissional se aproximam ao limite de se fundirem. Perceba que, independente de você ser do time das bolsas giga ou daquelas que se assemelham à capa do celular, o resultado final será sempre o mesmo: ter ao alcance o que torna sua rotina mais coesa e organizada – seja através de uma troca de roupas com direito a mudança de maquiagem, ou apenas de um simples aparelho celular.

 

S/S 2021 V – Alfaiataria ampla

28.10.20 | Moda Semanas de Moda Tendências


 

Que o conforto foi uma das características de vestuário que mais ganhou protagonismo nos últimos tempos não há dúvidas. Com o período de confinamento e a vida profissional acontecendo de casa, não faria sentido que ao menos uma parte da composição visual não prezasse pelo conforto. A rotina, no entanto, está se normalizando aos poucos e o conforto ainda será um atributo essencial para a edição visual de muita gente, mas de uma forma alinhada com o que se espera de uma produção de atmosfera profissional, por mais informal que seja o ambiente de trabalho. Unindo o aconchego dos tecidos leves e dos volumes amplificados com a sofisticação inerente à alfaiataria, este movimento se enquadra perfeitamente no equilíbrio entre o desejo de liberdade de movimentos e a polidez contemporânea dos conjuntos femininos. As nuances de modernidade ficam por conta dos detalhes: cores delicadas, que sugerem calma e positividade e que geralmente não são usadas na alfaiataria, truques de styling marcantes, materiais nobres de textura reluzente, assimetria etc.

 

S/S 2021 IV – Bright Yellow

27.10.20 | Moda Semanas de Moda Tendências


 

O amarelo é uma cor que muita gente ainda evita em peças de composição principal do look, ainda preferindo apostar em acessórios, bolsas e sapatos no tom. Mas a cor vem sendo vista em diversas variações já há algumas temporadas. Durante as estações mais amenas, o mostarda costuma aparecer mais e na temporada de calor, os tons mais claros do amarelo é que ganham protagonismo, a exemplo da variação que chamamos de butter e se trata de um movimento para o verão 2020/21. Mas para a próxima temporada primavera/verão (aqui no hemisfério sul, em 2022) tons mais vibrantes do amarelo aparecerão não apenas nos detalhes do look, mas nele todo. Seja em peças únicas, como vestidos e macacões, ou conjuntos inteiros e compostos por mais de três peças, o amarelo mais brilhante chega para sugerir otimismo, esperança e energia para seguir em frente – mensagens mais do que bem-vindas para o nosso período.

 

S/S 2021 report III – Engajamento

26.10.20 | Moda Semanas de Moda Tendências


 

Um dos principais papeis da moda é refletir o espírito de seu tempo. Portanto, é muito difícil que uma marca que leve essas funções sociais da moda a sério não adeque sua coleção à atmosfera dos acontecimentos. No hemisfério norte temos alguns eventos políticos (a exemplo das eleições dos Estados Unidos) que definirão muitas coisas importantes dependendo do resultado. Convidar o consumidor a refletir sobre o futuro politico de seu País e do mundo, por consequência, é apenas uma das formas de engajamento que encontramos nos desfiles e apresentações recentes, que se valeram de frases ou palavras de efeito para cumprir o papel. Além da conscientização política, palavras de otimismo também são importantes para o momento de inseguranças que vivemos, afinal, moda também é escapismo e inspiração pelo belo.