Monocromáticos TERROSOS

25.02.21 | Moda Semanas de Moda Tendências


 

Os tons terrosos já se tornaram um clássico e ao menos uma peça com essa característica pode ser encontrada nos mais diversos armários. Essa é uma família sofisticada de cores e devido a sua grande variedade de nuances seu uso é bastante versátil, já que todas elas combinam perfeitamente entre si, o que possibilita um maior aproveitamento do guarda-roupas. As apresentações da temporada fall 2021 reviveram os tons, como é de se esperar até pela própria natureza da temporada, mas de uma maneira um pouco mais moderna. Looks monocromáticos são considerados criativos e corajosos, já que dependendo do tom escolhido o visual pode ficar bem marcante. Mas uma produção monocromática feita somente com tons terrosos é capaz de manter essa diferenciação sem, no entanto, exagerar na dose de teatralidade. Muito pelo contrário. Justamente por se tratarem de cores que possuem uma essência naturalmente sofisticada, existe um equilíbrio entre a dramaticidade inerente ao look monocromático e a elegância desses tons. Outra característica que notamos nesse movimento monocromático terroso, é em relação aos materiais das peças que, em sua maioria, são mais densos. Couro, camurça, lâ, pelos, sarja e uma alfaiataria mais encorpada trazem ainda mais modernidade ao caráter tradicional dessas cores.

 

Decorativismo 70’s

18.02.21 | Moda Semanas de Moda Tendências


 

Como você viu na semana passada, nós aqui do escritório já estamos de olho nos movimentos da temporada fall 2021 (caso tenha perdido a primeira análise, clique aqui) e conforme as apresentações vão acontecendo, nós conseguimos captar diversas referências para geramos nossos conteúdos. Dessa vez, com a NYFW acontecendo (mesmo que em grande parte remotamente), percebemos um movimento que enaltece a estética da decoração dos anos 70. Pense nos papéis de parede, na tapeçaria, nos estofados, nas cores e nos materiais que eram utilizados na época para o decor das casas e veja nosso moodboard abaixo que você notará as semelhanças, que também remetem ao próprio design das roupas setentistas. São tons terrosos mais opacos, florais, xadrezes e paisley nas padronagens e texturas mais densas e marcantes, como o jacquard, o veludo, a lã, o jeans e o lamê, aplicados em calças com barras mais amplas, vestidos de comprimento midi, macacões e peças com golas mais fechadas. O visual aqui não faz só uma alusão ao período, mas se mostra quase literal e tem essa atmosfera vintage que se relaciona também com as peças encontradas em brechós.

 


fall 2021 RTW | Sobrevivência

11.02.21 | Moda Semanas de Moda


 

As apresentações da temporada fall 2021 RTW começaram e já conseguimos perceber um movimento importante que permeou a essência da maioria das coleções até este momento. Sabemos que estamos em um período delicado em diversos setores da sociedade a nível mundial. Questões ambientais sérias, ascensão de um conservadorismo nocivo e limitante, a iminência de conflitos relevantes, instabilidade econômica, violência e, obviamente, uma pandemia. São diversos cenários pouco otimistas que contribuem, também, para que a moda se ajuste a este visual que sugere a sobrevivência nos mais diversos níveis. Ao que tudo indica, o clima otimista que inúmeros designers propuseram na temporada spring 2021 apresentada no final do ano passado foi colocado em modo de espera, ao menos nessas primeiras apresentações. O visual é pós-apocalíptico. Construções e sobreposições extremas indicam a ideia de se usar tudo o que for preciso e de uma vez. A mensagem inicial pode ser de uma vida nômade, onde é necessário carregar consigo o que for essencial para sobreviver, mas se analisarmos a fundo, a ideia é de segurança – usar o que nos remete a um lugar de conforto para manter a sensação de pertencimento onde quer que você esteja. Para captar esse mood, veja as coleções da Lameire, Y/Project e Wooyoungmi. A sobrevivência explorada aqui também faz alusão aos games, como é o caso da Balenciaga, que inclusive lançou um jogo junto com a coleção. A ideia de um mundo dominado pela tecnologia que pode a qualquer momento controlar os passos da humanidade já foi explorada à exaustão pelo cinema e pela literatura e o cenário catastrófico de Matrix, Exterminador do Futuro, Admirável Mundo Novo, Fahrenheit 451 e tantos outros também parece ter servido de referência para as coleções da Vetements, Eytys e Rhude. Já na Myar, o conceito é de ressignificação. Os casacos e os calçados que parecem ter sido feitos de última hora apenas com materiais que estavam ao alcance dão um clima pré-histórico ao visual, mas também levantam questões ambientais – reciclagem, upcycling, otimização para um consumo menor, segunda mão etc. Sobreviver também pode ser interpretado como se resguardar. O conforto das roupas típicas da permanência no lar entra neste movimento e pode ser visto nos shootings da Thakoon e da The Row, de clima seguro, familiar e intimista. De maneira concisa, essa atmosfera engloba roupas com características utilitárias, estampas camufladas, styling que cobre o corpo e sugere proteção, tecidos tecnológicos, mensagens fortes que desafiam ideais retrógrados, estética de gênero fluído e peças “para ficar em casa”. Obviamente a ideia de sobrevivência deste movimento é muito mais abstrata (assim esperamos). Esta concepção representa nossas batalhas e nossos modos de resistir de maneira subjetiva – seja enfrentando, seja se retraindo, não existe certo ou errado quando tratamos de sobrevivência.

 

 

primavera/verão 2021-22 | expressão corporal e MODA

09.02.21 | Lifestyle Moda


 

Já é sabido que a expressão através da dança é um dos grandes movimentos atrelados à geração Z. Basta ver o sucesso dos aplicativos voltados para as coreografias e em como a exploração dos movimentos corporais ganhou um espaço enorme nas redes sociais. Obviamente a moda já percebeu o potencial dessa manifestação criativa e diversas marcas exploraram a estética do ballet em suas coleções da temporada spring/summer 2021, apresentadas no final do ano passado. O ballet especificadamente traz uma ideia de delicadeza, suavidade e liberdade de movimentos que é coerente com o nosso momento atual. Afinal, estamos há algum tempo sob o peso do confinamento e das incertezas de como será uma sociedade pós-pandêmica. A pressão, o isolamento, o espaço limitante das nossas casas e a densidade das nossas inseguranças certamente contribuem para que almejemos algo muito mais leve e libertador daqui em diante. As influências relacionadas ao ballet podem ser literais, caracterizadas pelos trajes típicos da dança com seus volumes e materiais tradicionais ou através de referências sutis combinadas com outras mais urbanas e esportivas.

 

spring 2021 COUTURE – a segunda parte das nossas análises dos desfiles da semana de alta-costura

04.02.21 | Moda Semanas de Moda


 

Masculino e feminino, festa, subversão, loucura. A segunda parte do nosso ponto de vista sobre os desfiles da semana de alta-costura traz um bloco de apresentações que se destacam não só pela inovação, mas principalmente pelo questionamento do que significa couture nos dias atuais e frente a tantos problemas. O que os estilistas buscam, no final das contas, é o mesmo que nós. Quando nos vemos na mesma situação, ainda que em circunstâncias diferentes, voltamos nossos olhares para o que realmente importa, de maneira subjetiva. Um livro, a saudade da aglomeração, a manutenção da esperança de que tudo vai melhorar, a beleza nas coisas ou nos conceitos triviais ou na pior das hipóteses que é quando nada mais nos inspira, simplesmente mantemos o foco em não enlouquecer. São pensamentos e atos potentes que surgem frente à situações sérias e que nos mantém vivos. E é exatamente o espectro desses atos e pensamentos que inspiraram os designers desta segunda matéria sobre os desfiles haute couture. Se você ainda acha que moda é futilidade, sugerimos uma reinterpretação dessa objeção e te convidamos a pensar e associar o que acontece em um simples evento como é o desfile com o que acontece a no mundo, hoje.

 


O efeito BOTTEGA

21.01.21 | Get Inspired By Lifestyle Moda



 

A tradicional casa italiana foi fundada nos anos 60 e quase que instantaneamente se tornou um sucesso de vendas com seus artigos em couro, especialmente por conta da técnica exclusiva de entrelaçamento do material denominada intrecciato. Verdade seja dita, a parte de acessórios sempre foi o carro-chefe da marca. As bolsas e calçados da Bottega são um dos artigos de luxo mais desejados do mundo e, sim, valem cada centavo. As técnicas de manufatura da casa, o primor do material e o design atemporal são alguns dos elementos que alçaram a marca a um patamar ocupado por poucos. Mas por mais que um nome esteja consolidado no mercado, especialmente como autoridade em um determinado produto ou matéria-prima, a necessidade de renovação mais cedo ou mais tarde bate à porta. A reinvenção da Bottega veio com a chegada do estilista britânico Daniel Lee. Com apenas 32 anos, o designer já passou por marcas como Balenciaga, Maison Margiela e sua mais recente atuação foi na Céline da era Phoebe Philo. Com uma bagagem tão importante, foi criada uma expectativa enorme em torno do seu trabalho, que veio acompanhada de um receio justificável de suas criações serem apenas extensões das marcas pelas quais o estilista passou. Mas o que se viu em sua coleção de estreia foi justamente uma identidade própria, pautada por uma elegância silenciosa e um design contemporâneo que surpreendentemente têm total relação com o legado da Bottega.

 


 

Da coleção fall 2018 para a temporada fall 2019, quando houve a estreia de Lee, a diferença é notável. Percebe-se a essência da Bottega, mas também notamos a mão do estilista. Essa harmonia entre a criação e a herança de uma marca não é tão fácil de acontecer e temos visto diversos nomes tradicionais do mercado se perdendo completamente em suas modernizações ou ficando sem um sentido nas suas novas abordagens. Lee trouxe uma narrativa consistente para a Bottega. Abriu a porta de novos tempos para a marca, mas com deferência a sua história. Suas criações têm grande apelo no mercado e passaram a ser expressivamente vistas no street style, além dos desfiles da Bottega hoje serem um dos mais aguardados do circuito. Claro que com o sucesso, vem o infame inspired. As criações de Lee, especialmente os calçados e as bolsas, servem (descaradamente, diga-se de passagem) de “inspiração” para inúmeras marcas ao redor do globo e se tornou fácil encontrar, por exemplo, as sandálias de tiras trançadas e almofadadas, os scarpins de tramas vazadas e os mules com uma imitação desafortunada do famoso intrecciato da marca. Independente disso, é um prazer assistir aos desfiles da Bottega sob o comando de Daniel Lee e perceber que o tradicional pode se juntar ao futuro com dignidade quando diversos fatores são observados. Entre os principais, está o respeito ao trabalho e à identidade criativa do estilista, concedendo liberdade para sua atuação e o entendimento do patrimônio imaterial de uma marca do porte da Bottega.

 

Análise de estilo: KATIE HOLMES

14.01.21 | Get Inspired By Moda


 

Desde o começo dos anos 2000 a atriz Katie Holmes chama a atenção (também) pelo seu estilo e mesmo longe de trabalhos grandiosos seu visual ainda é bastante observado. Holmes tem um estilo pessoal muito básico, mas que é enriquecido por detalhes como acessórios robustos, design diferenciado – pense em calças jeans mais amplas, por exemplo – e toques de sensualidade que imprimem personalidade ao resultado final. Blusas sem alça, pele estrategicamente à mostra e os cabelos sempre soltos ou displicentemente presos tornam a figura de Katie cativante e facilmente inspiradora justamente por essa mistura entre o informal, o tradicional e o sensual. Mas muito além de edições simplificadas dos looks que geram familiaridade e aproximam a atriz do público, as escolhas de Katie parecem ter tudo a ver com o momento atual. Com uma fase tão grave e difícil como a que estamos vivendo, pensar no que vamos vestir parece ser uma preocupação distante e supérflua, mas a atriz mostra que não precisa ser assim. Suas escolhas casuais e recentes indicam que o conforto é imprescindível, mas as nuances de elegância, contemporaneidade e engajamento (vide a camiseta “vote now” que Holmes usa em um de seus looks) é que dão o tom do visual da atualidade – sem espaço para movimentos passageiros e afetações e que ainda estão ligados em alguns pontos com aquelas escolhas do home office. Moletons combinados com blazers, tênis e flats finalizando looks compostos de peças clássicas, como os jeans de corte reto e trench coats, cartela de cores mais iluminada, porém tradicional e que sugerem um certo aconchego, modelagens desprendidas equilibradas com outras mais ajustadas etc. São, em suma, looks que indicam conforto e liberdade de movimentos, mas que também prezam por detalhes ricos e que manifestam informação de moda. Mais real e atual, impossível.

 

 

 

 

Para este e para o próximo verão: SPORTY SANDALS

07.01.21 | Moda Tendências


 

Durante as análises de movimentos de moda para este verão nós fizemos diversos posts sobre a papete. Sim, um calçado que sempre foi rebaixado, injustiçado e que ficava restrito aos pés dos turistas ganhou as passarelas da temporada spring/summer 20 e as coleções de diversas marcas nacionais. Por se tratar de uma peça marcante podemos ter certo receio do investimento, mas as apresentações recentes das semanas de moda internacionais mostraram que o calçado continua vivo para o próximo verão. Nós pensamos que a papete vale pela união de conforto, estilo e informação de moda, podendo ainda compor diversas propostas visuais – da praia ao ambiente urbano. Equilibre a casualidade e a robustez da papete com peças mais nobres, de tecidos finos e estrutura rica, por exemplo. Para ajudar você a escolher uma sandália esportiva ideal para seu armário, confira nossa seleção ao final do post.

 

 

 

SHOP

 

2021: O que você espera da noite da virada?

28.12.20 | Get Inspired By Lifestyle Personal Stylist


 

2021 já está quase aí e, verdade seja dita, estamos esperando ansiosamente por esse momento. 2020 foi um ano difícil, para dizer o mínimo. Tantos acontecimentos, tantas reviravoltas, tantas realidades distintamente afetadas pelo curso das coisas. Cada um viveu e sobreviveu a 2020 como pôde. Com um dos maiores eventos do ano chegando, a tentação de aproveitar ao máximo as festas de Réveillon em algum destino litorâneo e com bastante gente é grande, mas nós sabemos que, com a mínima noção de responsabilidade e senso coletivo, essa ideia é irreal. Grande parte das pessoas vai encarar essa data como um rito de passagem, com muita reflexão e vibrações positivas para que o próximo ano seja, pelo menos, mais brando. Obviamente as roupas refletem esse estado de espírito de reclusão, de se voltar para si e fazer um balanço do que foi aprendido em um momento que exigiu tanto de todos nós. O conforto, obviamente, já passou a ser característica intrínseca do guarda-roupa de todo mundo e na noite da virada não haveria de ser diferente. Ainda se ver em casa, ainda mais em uma noite tão especial, pode afetar nossa saúde mental de muitas maneiras e quanto mais pudermos amenizar esses efeitos negativos, mesmo que com coisas tão banais quanto uma roupa, melhor. Outra característica que pode ser importante para marcar a passagem de um ano tão singular por conta de eventos negativos, são as cores que emanam tranquilidade, otimismo e esperança. Nesse quesito, o branco que já é uma tradição para a ocasião, tem um papel ainda mais importante para nos dar essa sensação do fim de um ciclo que vem junto com a meia-noite do dia 31/12. O ano novo sempre renova nossas esperanças e agora, mais do que nunca, não há de ser diferente. Seja em casa sozinha ou perto dos seus (poucos), realizar o seu ritual de passagem de ano continua sendo uma maneira poderosa de renovar nossas energias para o que está por vir. E se você quiser começar pela roupa, veja nossas indicações de peças que sugerem conforto, familiaridade, segurança e liberdade que podem auxiliar nessa transição.

 

Pantone color of the year 2021 | Illuminating & Ultimate Gray

23.12.20 | Get Inspired By Lifestyle Moda


 

Em 2016 o instituto Pantone surpreendeu e escolheu duas cores para ditar as tendências de moda, decor, design, desenvolvimento de produto etc. Na época, o Rosé Quartz e o Serenity eram cores suaves que se completavam em sofisticação e quietude. Neste ano, no entanto, a escolha foi de dois tons totalmente opostos em termos de temperatura e intensidade, mas que se juntam em uma mensagem: a de familiaridade, segurança e otimismo. O amarelo brilhante denominado Illuminating já havia sido detectado aqui no escritório como uma cor importante para 2021. Em um ano tão complexo como 2020, tons que sugerem esperança, entusiasmo e confiança em relação ao futuro são muito bem-vindas. Segundo a Pantone, o tom representa vivacidade, lembrando a energia solar. Já o Ultimate Gray é uma cor sólida, confiável, segura e familiar, que vem para trazer a força necessária para os dias incertos. Afinal, quando estamos diante de tempos que incitam insegurança, qualquer elemento que ofereça confiabilidade e uma fundação sólida são acolhidos. A união das duas cores indica que há esperança, que podemos ser otimistas e devemos ser fortes diante das adversidades.