OSCAR 2021 | nossos looks preferidos do red carpet

28.04.21 | Lifestyle Moda


 

Neste domingo aconteceu a cerimônia de entrega do Oscar e como já é de costume, nós aqui do escritório analisamos todos os looks e cada detalhe para podermos eleger nossos preferidos e contar para vocês. Ao contrário dos outros anos, o evento teve uma atmosfera mais intimista e com bem menos convidados, o que não impediu, no entanto, que o glamour do tapete vermelho fosse prejudicado. Veja quais foram nossas produções favoritas desta edição.

 

 

Impressiona o quanto a atriz de 62 anos é radiante e esse Alberta Ferretti teatral só evidenciou isso. A atriz já atingiu o posto de lenda do cinema então a peça faz jus ao seu legado. Cor intensa, mangas dramáticas, fenda marcante e o mix de texturas são características de um vestido que pede por alguém ainda mais exuberante, caso contrário só a peça apareceria. Nesse caso, vestido e indivíduo se completam e se complementam com afinação.

 

 

Nós amamos a jovialidade trazida pelo top da escolha de Carey Mulligan. A atriz tem um perfil delicado e o detalhe faz com que a mistura de proporções entre a saia e a parte de cima equilibre essa característica, caso contrário o vestido poderia engolir a atriz. Elegante e ao mesmo tempo moderno.

 

 

Essa é daquelas peças que você precisa olhar e analisar várias vezes, já que em cada momento um novo detalhe é percebido. O vestido é interessante e encaixa bem no estilo diferenciado da cantora. Possui texturas distintas, um design de referência quase religiosa, que é quebrado pelos punhos de mood fetichista e os detalhes no colo – transparência na gola, broche dramático e franjas metálicas. Mas o que chama mais atenção é a clutch que reproduz um coração humano e que saiu diretamente da última coleção apresentada pela Gucci há pouco mais de 10 dias.

 

 

Chloé Zhao fez história nesta premiação como a segunda mulher a ganhar a estatueta de melhor direção e a primeira de origem asiática. Com apenas três filmes em seu currículo como diretora, roteirista e produtora, Zhao saiu como uma das grandes ganhadoras da noite com Nomadland e mesmo com tanto furor sobre seu trabalho, a simplicidade da cineasta parece desafiar todos os códigos antigos e, porque não dizer, machistas, do que se espera da figura de uma mulher na indústria cinematográfica. Isso não pode ser interpretado como desrespeito e tampouco como uma crítica a quem prefere outro tipo de glamour. Na verdade, Zhao abre possibilidades para que uma imagem mais plural e diversificada surja para outras tantas figuras femininas deste universo, sem que isto seja motivo para piadas, críticas ou cancelamentos.

 

 

A cantora italiana concorria ao prêmio de melhor canção pela sua interpretação da música “lo sí”. Pausini perdeu a estatueta mas certamente ganhou como uma das mais bem vestidas da noite com este vestido Valentino de design atemporal e elegância clássica.

 

 

Nós já falamos diversas vezes que amamos um terno em eventos muito formais, como é o caso do Oscar. Ainda mais se for uma composição tão diferenciada quanto esta vestida pela cantora Tiara Thomas. Tem transparência, tem decotão, tem pluma e ombros acentuados, mas também tem caimento bonito, qualidade inquestionável e beleza a perder de vista. Tudo em perfeita harmonia.

 

 

Viola Davis está sempre presente nas nossas listas porque nunca erra. A atriz, além de ficar deslumbrante de branco, ainda escolheu um vestido muito especial Alexander McQueen feito exclusivamente para ela. Os recortes e a estrutura da parte superior da peça contrastam e se equilibram com a fluidez da saia mas ao mesmo tempo se encontram nas linhas orgânicas. Interessante e incomum, a peça é daquelas que pode ser analisada com uma lupa e mesmo assim nenhum defeito será encontrado. Essa é a excelência produzida por Mcqueen e brilhantemente levada adiante por Sarah Burton, sua sucessora.

 

 

O Valentino solar da atriz roubou a atenção no Oscar, especialmente porque foi combinado com um colar Bulgari de 183 quilates avaliado em mais de 6 milhões de dólares. Joias muito marcantes costumam pesar no visual, o que não aconteceu com a atriz justamente pela jovialidade do vestido. O tom brilhante, os recortes, a fluidez e o cabelo naturalmente solto fizeram com que o resultado final ficasse leve e divertido. Mais um look a favor de uma das maiores promessas da TV e do cinema, que também tem se mostrado um verdadeiro ícone de estilo.

 

 

Esta, sem dúvidas, foi a nossa preferida da noite. Regina King surgiu esplêndida neste Louis Vuitton arquitetônico e feito sob medida. Regina estreou este ano como diretora no longa One Night in Miami e como resultado de sua bem-sucedida empreitada, ganhou três indicações nesta premiação. Ao longo do ano, a atriz e diretora tem mostrado uma imagem bem trabalhada e coesa, com peças diferenciadas e marcadas por estruturas contemporâneas. Mas, como sabemos, Oscar é Oscar e para o final da temporada de premiações a atriz solicitou um vestido a altura. Entra em cena o brilhante trabalho de Nicolas Ghesquière, diretor criativo da Louis Vuitton, que tem construído um legado em seus quase oito anos a frente da marca. Com mais de 62.000 cristais, metros e metros de cetim e mais de 140 horas de produção, a peça teve o intuito de causar impacto na audiência e de trazer um pouco de fantasia para os momentos tão sombrios que estamos vivendo. Objetivo alcançado com sucesso!

 

 

Os homens também não decepcionaram e se distanciaram, em sua maioria, do “visual George Clooney” que toma conta das produções masculinas em tempos de premiação. Desta vez os homens também adicionaram boas doses de estilo ao tapete vermelho e dois convidados merecem uma menção honrosa pelos seus trajes. Lakeith Stanfield de Saint Laurent evocou uma atmosfera retrô setentista que tem tudo a ver com o filme Judas e o Messias Negro, no qual é um dos protagonistas, cuja história se passa no final dos anos 60. Já Colman Domingo quebrou todos os códigos antiquados do dress code masculino ao surgir com esse terno Versace de um tom de pink potente e aplicações metalizadas no blazer para finalizar.

 

Análise de Estilo: SARAH JESSICA PARKER

15.04.21 | Get Inspired By Lifestyle Styling


 

Sarah Jessica Parker é conhecida por papéis marcantes na TV e no cinema, mas foi sua personagem Carrie Bradshaw em Sex and the City que alçou a atriz a ícone fashion. Mas muito além da imagem de Carrie, Sarah tem um senso estético muito apurado e seu estilo contemporâneo, criativo e por vezes dramático é tão inspirador quanto sua personagem. Em tempos pandêmicos, no entanto, pode ser um pouco mais difícil, pelo menos para a maioria das pessoas, pensar em uma composição estética mais complexa diante de tantas outras prioridades. Há algum tempo nos analisamos o estilo da Atriz Katie Holmes (para ver o post clique aqui) e em como sua figura casual com pitadas de sensualidade e atmosfera urbana combina com os tempos atuais. Isso não significa, entretanto, que uma imagem mais trabalhada e até exuberante não possa se encaixar no presente. Basta ver os desfiles das semanas de moda que aconteceram durante esse período de pandemia com o consequente isolamento social para perceber que looks extravagantes foram tão explorados quanto os mais confortáveis, justamente por trazerem essa ideia de otimismo em relação ao futuro.

 

 

 

No caso de Sarah, fica claro que seu estilo sofreu algumas intervenções que se encaixam no atual período, mas mesmo assim não perderam sua essência mais luxuosa e experimental. O que diferencia as produções da atriz são justamente as misturas inusitadas e os truques de estilo que fazem o resultado final pertinente para o momento. Calças de moletom entram nos looks da atriz, mas do jeito dela: encurtadas, com barras elásticas marcantes, misturadas com peças de complementação mais chamativas e acessórios festivos (máscaras texturizadas, pontos de cor intensos, materiais refletivos etc.). Até as produções que num primeiro momento parecem ser mais básicas ganham riqueza nos detalhes, em especial os calçados. A atriz mostra que o estilo não precisa ser sacrificado por conta de tempos mais inseguros, mas pode ser adaptado.

 

 

 

primavera/verão 2021-22 | expressão corporal e MODA

09.02.21 | Lifestyle Moda


 

Já é sabido que a expressão através da dança é um dos grandes movimentos atrelados à geração Z. Basta ver o sucesso dos aplicativos voltados para as coreografias e em como a exploração dos movimentos corporais ganhou um espaço enorme nas redes sociais. Obviamente a moda já percebeu o potencial dessa manifestação criativa e diversas marcas exploraram a estética do ballet em suas coleções da temporada spring/summer 2021, apresentadas no final do ano passado. O ballet especificadamente traz uma ideia de delicadeza, suavidade e liberdade de movimentos que é coerente com o nosso momento atual. Afinal, estamos há algum tempo sob o peso do confinamento e das incertezas de como será uma sociedade pós-pandêmica. A pressão, o isolamento, o espaço limitante das nossas casas e a densidade das nossas inseguranças certamente contribuem para que almejemos algo muito mais leve e libertador daqui em diante. As influências relacionadas ao ballet podem ser literais, caracterizadas pelos trajes típicos da dança com seus volumes e materiais tradicionais ou através de referências sutis combinadas com outras mais urbanas e esportivas.

 

O efeito BOTTEGA

21.01.21 | Get Inspired By Lifestyle Moda



 

A tradicional casa italiana foi fundada nos anos 60 e quase que instantaneamente se tornou um sucesso de vendas com seus artigos em couro, especialmente por conta da técnica exclusiva de entrelaçamento do material denominada intrecciato. Verdade seja dita, a parte de acessórios sempre foi o carro-chefe da marca. As bolsas e calçados da Bottega são um dos artigos de luxo mais desejados do mundo e, sim, valem cada centavo. As técnicas de manufatura da casa, o primor do material e o design atemporal são alguns dos elementos que alçaram a marca a um patamar ocupado por poucos. Mas por mais que um nome esteja consolidado no mercado, especialmente como autoridade em um determinado produto ou matéria-prima, a necessidade de renovação mais cedo ou mais tarde bate à porta. A reinvenção da Bottega veio com a chegada do estilista britânico Daniel Lee. Com apenas 32 anos, o designer já passou por marcas como Balenciaga, Maison Margiela e sua mais recente atuação foi na Céline da era Phoebe Philo. Com uma bagagem tão importante, foi criada uma expectativa enorme em torno do seu trabalho, que veio acompanhada de um receio justificável de suas criações serem apenas extensões das marcas pelas quais o estilista passou. Mas o que se viu em sua coleção de estreia foi justamente uma identidade própria, pautada por uma elegância silenciosa e um design contemporâneo que surpreendentemente têm total relação com o legado da Bottega.

 


 

Da coleção fall 2018 para a temporada fall 2019, quando houve a estreia de Lee, a diferença é notável. Percebe-se a essência da Bottega, mas também notamos a mão do estilista. Essa harmonia entre a criação e a herança de uma marca não é tão fácil de acontecer e temos visto diversos nomes tradicionais do mercado se perdendo completamente em suas modernizações ou ficando sem um sentido nas suas novas abordagens. Lee trouxe uma narrativa consistente para a Bottega. Abriu a porta de novos tempos para a marca, mas com deferência a sua história. Suas criações têm grande apelo no mercado e passaram a ser expressivamente vistas no street style, além dos desfiles da Bottega hoje serem um dos mais aguardados do circuito. Claro que com o sucesso, vem o infame inspired. As criações de Lee, especialmente os calçados e as bolsas, servem (descaradamente, diga-se de passagem) de “inspiração” para inúmeras marcas ao redor do globo e se tornou fácil encontrar, por exemplo, as sandálias de tiras trançadas e almofadadas, os scarpins de tramas vazadas e os mules com uma imitação desafortunada do famoso intrecciato da marca. Independente disso, é um prazer assistir aos desfiles da Bottega sob o comando de Daniel Lee e perceber que o tradicional pode se juntar ao futuro com dignidade quando diversos fatores são observados. Entre os principais, está o respeito ao trabalho e à identidade criativa do estilista, concedendo liberdade para sua atuação e o entendimento do patrimônio imaterial de uma marca do porte da Bottega.

 

2021: O que você espera da noite da virada?

28.12.20 | Get Inspired By Lifestyle Personal Stylist


 

2021 já está quase aí e, verdade seja dita, estamos esperando ansiosamente por esse momento. 2020 foi um ano difícil, para dizer o mínimo. Tantos acontecimentos, tantas reviravoltas, tantas realidades distintamente afetadas pelo curso das coisas. Cada um viveu e sobreviveu a 2020 como pôde. Com um dos maiores eventos do ano chegando, a tentação de aproveitar ao máximo as festas de Réveillon em algum destino litorâneo e com bastante gente é grande, mas nós sabemos que, com a mínima noção de responsabilidade e senso coletivo, essa ideia é irreal. Grande parte das pessoas vai encarar essa data como um rito de passagem, com muita reflexão e vibrações positivas para que o próximo ano seja, pelo menos, mais brando. Obviamente as roupas refletem esse estado de espírito de reclusão, de se voltar para si e fazer um balanço do que foi aprendido em um momento que exigiu tanto de todos nós. O conforto, obviamente, já passou a ser característica intrínseca do guarda-roupa de todo mundo e na noite da virada não haveria de ser diferente. Ainda se ver em casa, ainda mais em uma noite tão especial, pode afetar nossa saúde mental de muitas maneiras e quanto mais pudermos amenizar esses efeitos negativos, mesmo que com coisas tão banais quanto uma roupa, melhor. Outra característica que pode ser importante para marcar a passagem de um ano tão singular por conta de eventos negativos, são as cores que emanam tranquilidade, otimismo e esperança. Nesse quesito, o branco que já é uma tradição para a ocasião, tem um papel ainda mais importante para nos dar essa sensação do fim de um ciclo que vem junto com a meia-noite do dia 31/12. O ano novo sempre renova nossas esperanças e agora, mais do que nunca, não há de ser diferente. Seja em casa sozinha ou perto dos seus (poucos), realizar o seu ritual de passagem de ano continua sendo uma maneira poderosa de renovar nossas energias para o que está por vir. E se você quiser começar pela roupa, veja nossas indicações de peças que sugerem conforto, familiaridade, segurança e liberdade que podem auxiliar nessa transição.

 

Pantone color of the year 2021 | Illuminating & Ultimate Gray

23.12.20 | Get Inspired By Lifestyle Moda


 

Em 2016 o instituto Pantone surpreendeu e escolheu duas cores para ditar as tendências de moda, decor, design, desenvolvimento de produto etc. Na época, o Rosé Quartz e o Serenity eram cores suaves que se completavam em sofisticação e quietude. Neste ano, no entanto, a escolha foi de dois tons totalmente opostos em termos de temperatura e intensidade, mas que se juntam em uma mensagem: a de familiaridade, segurança e otimismo. O amarelo brilhante denominado Illuminating já havia sido detectado aqui no escritório como uma cor importante para 2021. Em um ano tão complexo como 2020, tons que sugerem esperança, entusiasmo e confiança em relação ao futuro são muito bem-vindas. Segundo a Pantone, o tom representa vivacidade, lembrando a energia solar. Já o Ultimate Gray é uma cor sólida, confiável, segura e familiar, que vem para trazer a força necessária para os dias incertos. Afinal, quando estamos diante de tempos que incitam insegurança, qualquer elemento que ofereça confiabilidade e uma fundação sólida são acolhidos. A união das duas cores indica que há esperança, que podemos ser otimistas e devemos ser fortes diante das adversidades.

 

A alegria do vestir como guia para o visual pós-pandêmico

13.11.20 | Lifestyle Moda


 

Estivemos isolados por muito tempo e, na verdade, os dias de confinamento social não só não foram totalmente suprimidos como ainda podem voltar a ser uma realidade em tempo integral, a exemplo do que aconteceu na Europa. Com tanto tempo em casa, o vestir se tornou algo muito atrelado à necessidade de conforto – físico e mental. Com exceção de alguma atenção para a parte de cima do corpo, com acessórios ou peças mais elaboradas e um talvez um mínimo de maquiagem para aparições um pouco mais cuidadosas nos dias de reuniões virtuais, a verdade é que o look do dia não fazia mais parte das nossas prioridades e se tornou simplesmente uma obrigação diária que não nos exigia muita reflexão frente a preocupações muito maiores que vieram com o advento da pandemia. No entanto, a vida inevitavelmente se adapta e volta ao normal, mesmo que esse normal não seja parecido com o que estávamos acostumados. Sair do acolhimento do lar em um momento tão delicado pode, sim, ser uma experiência um tanto quanto desafiadora e isso reflete na nossa comunicação visual, ou seja, nosso estado de espírito se manifesta, também, na forma como nos vestimos. As coleções da temporada spring 2021 mostram que o ato de se vestir não precisa se tornar mais um obstáculo e tampouco deve sacrificar o conforto.

 

 

 

 

É certo que diante de uma profusão de conjuntos de moletom usados de forma incansável, muitas pessoas querem voltar a se arrumar e temos movimentos nesse sentido também. Exageros, abundância e design efusivo para quem quer ser notado ao colocar os pés na rua e, na outra ponta, o conforto sofisticado para quem não abre mão do estilo mas ainda quer sentir a segurança que só um suéter de lã feito a mão é capaz de proporcionar. Essa mistura entre acolhimento e requinte formata o movimento da alegria de voltar a se vestir. Muitas marcas se utilizaram desse combo em suas novas coleções e vimos as peças que remetem ao visual confortável para se ficar em casa aliadas a outras mais nobres, construindo um novo estilo hi-low. As características principais desse movimento implicam em modelagens desprendidas, tecidos leves, porém distintos, styling sem grandes intervenções, mas com detalhes suficientes que demonstrem informação de moda, texturas simples misturadas com tramas mais elaboradas, o casual encontrando o refinamento.

 

 

 

 

Nos novos tempos, o ato de se vestir deve ser, acima de tudo, leve. A proposta aqui é vestir-se para se sentir bem, sem distinções entre o que é a roupa de sair e a de ficar em casa.

 

 

Por trás do estilo de KAMALA HARRIS

12.11.20 | Get Inspired By Lifestyle Moda


 

Kamala Harris é advogada, tem um currículo invejável, possui uma vida pública ilibada e recentemente foi eleita vice-presidente dos Estados Unidos. A primeira vice-presidente mulher e negra na história do País. Mas os motivos para a admirarmos não param por aí. Observando as aparições e os discursos potentes de Harris, podemos perceber também que ela desafia os velhos códigos do que se espera de uma imagem formal. Quando olhamos as mulheres do universo da política e dos cargos públicos, nos deparamos com figuras engessadas, tradicionais ao extremo e sem muita graça. Imagens assim passam uma sensação de distância e é justamente isso que Harris parece querer mudar. Afinal, servidores públicos, como o próprio nome sugere, estão em seus cargos para servir aos interesses do povo, portanto, a ideia de uma imagem fria e inacessível não parece ser coerente com o trabalho.

 

 

 

Claro que certos códigos formais ainda são levados em conta nos momentos públicos. Afinal, estamos tratando de um dos cargos de maior importância do mundo. Mas para Harris, importante não significa inalcançável. A imagem da vice-presidente, com sua alfaiataria simples, peças de cunho mais casual, como jaquetas e calças jeans, parkas utilitárias, camisas amplas e um bom e velho Converse fechando a produção junto com um sorriso acolhedor, nos passa uma sensação confortável de alcance e de familiaridade. E, se as pessoas se identificam de alguma forma com uma figura pública, com uma marca, com uma empresa etc., as chances de sucesso e aprovação são maiores. Existe também o fato do governo anterior. Sem entrar no mérito de questões políticas, o republicano Donald Trump junto com a primeira-dama Melania não faziam questão de ser muito simpáticos. A imagem do casal Trump era gélida, desprovida de carisma e por vezes polêmica. Harris, por sua vez, sabe do poder de um visual bem contruído, afinal roupa é também comunicação. A aparência da vice-presidente eleita emana a mensagem de novos tempos. Tempos que se distanciam dos preceitos do governo anterior e servem ao interesse da maioria.

 

 

 

A figura de Harris com sua casualidade sofisticada tem o poder de causar aproximação entre o povo e a política e de estreitar esse laço que por muito tempo se manteve desigual e afastado. Vice-presidente de uma das maiores potências mundiais, sim, mas com os pés no chão.

 

Resort 2021 | Refúgio bucólico

30.07.20 | Lifestyle Moda Tendências


 

Nós já falamos aqui no blog a respeito de algumas tendências que o momento atual fez surgir. Tivemos uma reviravolta significativa nos rumos dos movimentos de moda com todos esses acontecimentos. Os relatórios de tendência foram repensados e tudo que estava certo de repente não fazia mais sentido nem para o presente, tampouco para o futuro. Desses novos movimentos, notamos que alguns já podem ser observados nas apresentações recentes das coleções resort 2021 e um dos principais é o que chamamos de refúgio bucólico. Aqui existe uma clara intenção de promover uma conexão entre o homem e a natureza, com o resgate do que temos como os códigos de uma vida simples no campo. A estética campestre fica a cargo de vestidos mais soltos, estampas florais delicadas, design que remete a uma feminilidade quase ingênua, xadrezes (especialmente o vichy) e peças que fazem alusão às atividades do campo. Mas não é só de florais, xadrezes e vestidos lúdicos que a tendência vive. A ideia aqui é muito mais ampla e abrange também as matérias-primas e as técnicas que são usadas para confecção das peças. A valorização de artistas, artesãos e pequenos produtores que possuem métodos centenários de manufatura, o cuidado com a origem dos tecidos que garante a fabricação de peças sustentáveis, a reutilização e a ressignificação de materiais usados em coleções antigas e o respeito a cultura local com a devida participação da comunidade são algumas das características desse movimento que se volta para o natural, para o feito a mão e para a simplicidade, tudo em harmonia com o que um isolamento no campo pede.

 

SAINT LAURENT pre-fall 20 | Um tributo à parisiense

15.07.20 | Lifestyle Moda


 

Existem diversas características que definem o estilo pessoal de alguém. Mas ao contrário dos identificadores de um estilo propriamente dito, temos as francesas. Essas mulheres possuem estilos diversos, mas são conhecidas por alguns códigos em comum que tornam seu visual tão estudado e fascinante. A Saint Laurent sempre foi uma marca que procurou transformar esse lifestyle francês, em especial o parisiense, em roupas, acessórios e principalmente styling. Afinal, uma boa composição visual pode ser determinante para uma produção mais interessante e sofisticada. Em sua mais recente coleção para a maison, o estilista Anthony Vaccarello reproduziu essa elegância natural da mulher parisiense através da alfaiataria contemporânea, da sensualidade não óbvia, da casualidade rica e das combinações clássicas que chamam a atenção pelo cuidado nos detalhes e na edição do look. Veja algumas das imagens da coleção pré-fall 2020 da Saint Laurent que têm o charme dos looks possíveis, reais e repletas do fator effortless chic que nós amamos.