MET gala 2022 | As nossas escolhas do red carpet

04.05.22 | Get Inspired By Lifestyle Moda


 

O baile do MET deste ano teve como tema a Gilded Age americana, ou a Era Dourada do período da segunda revolução industrial ocorrida nos Estados Unidos no final do Séc. XIX e começo do Séc. XX antes da I Guerra Mundial. Essa foi uma época de grande ascensão econômica no País, com o surgimento de grandes fortunas, enaltecimento das artes e importantes avanços tecnológicos para a sociedade. Na moda, a ordem era a opulência. As mulheres ostentavam visuais extravagantes e repletos dos códigos de riqueza da época, como pedrarias, plumas, adornos chamativos e vestidos volumosos e é justamente essa estética mais glamourosa que serviu de base para os convidados do MET Gala deste ano. Veja nossas preferidas e o contexto por trás de cada criação.

 


Oscar 2022 | Jenny Beavan e a genialidade por trás do figurino

06.04.22 | Lifestyle Moda Styling


 

O figurino, sem dúvida, é uma das partes cruciais do sucesso de um filme. É através dele que grande parte do personagem se desenvolve e se mostra para a audiência. Através da imagem de um personagem já podemos perceber nuances de personalidade e histórias de vida que nem precisam estar destacadas no roteiro. É justamente essa entrega sutil que o figurino proporciona é que o torna tão importante para a indústria cinematográfica. Este ano quem ganhou o Oscar de melhor figurino foi a britânica Jenny Beavan pelo seu trabalho no imperdível Cruella, live action do icônico personagem da Disney no filme 101 dálmatas.

 

 

O filme é ambientado na Londres dos anos 70, época que Jenny viu e viveu de perto. Entre suas referências para a elaboração do figurino do filme estavam a cena cultural punk do período, a cantora alemã Nina Hagen, uma espécie de musa alternativa do movimento, e em estilistas como Alexander McQueen, John Galliano e Vivienne Westwood. Jenny começou sua carreira como cenógrafa mas migrou para o figurino de cinema naturalmente. Com um currículo extenso, a designer já foi indicada ao Oscar pela mesma categoria 11 vezes e ganhou em outras duas oportunidades. A primeira estatueta veio em 1987 com o filme A Room With a View que retrata a rebeldia de uma jovem aristocrata britânica no começo do Séc. XX. O segundo Oscar foi em função do seu trabalho no premiado Mad Max Fury Road.

 

 

Na ocasião, Jenny chamou a atenção não só pelo prêmio, mas também por ter comparecido à cerimônia de calça e jaqueta de couro que continha o logo da caveira flamejante do filme bordado em pedras nas costas da peça. A escolha de vestuário de Jenny foi criticada em demasia, mas a verdade é que a figurinista mostrou que não precisa provar nada pra ninguém (especialmente no que se refere a sua própria imagem), já que seu talento indiscutível para contar histórias através de roupas é que se sobressai, além de se mostrar como uma força disruptiva frente aos velhos códigos de vestimentas de cerimônias desse porte e que já começam a ser mais questionados pelas frequentadoras (vide a escolha da atriz Kristen Stewart para o tapete vermelho deste ano). Este é na verdade o objetivo primordial da designer quando está a frente de um projeto: contar a história de um personagem, moldar sua personalidade, escrever sua vida, tudo por meio da sua figura.

 


 

Certamente ainda veremos muitas indicações de Jenny à categoria em especial nas próximas edições, já que a profissional está envolvida no filme derivado de Mad Max voltado para a personagem Furiosa, interpretada por Charlize Theron.

 

OSCAR 2022 | nossas escolhas do red carpet

30.03.22 | Get Inspired By Lifestyle Moda


 

O Oscar desse anos trouxe muitas surpresas e não estamos falando do polêmico episódio que ocorreu durante a cerimônia. O tapete vermelho, ao contrário do que já vinha acontecendo há algumas temporadas, serviu de palco para produções ousadas, vestidos que com certeza entrarão para a história do evento, novos nomes para ficar de olho e a consagração de outros como verdadeiros ícones de estilo. Aqui estão nossas preferidas do Oscar 2022:

 

COPENHAGEN fashion week fall 22 | sustentabilidade em foco

09.02.22 | Get Inspired By Lifestyle moda pra pensar Semanas de Moda


 

Quem acompanha o portal há algum tempo já sabe que nós amamos as semanas de moda escandinavas. Mas muito mais do que falar sobre as tendências que encontramos nas apresentações (já já tem conteúdo com esse foco) ou da estética dinamarquesa que tanto se ouve por aí, vamos falar sobre o principal movimento, ou melhor, o compromisso primordial da fashion week de Copenhagen: a sustentabilidade. São diretrizes obrigatórias, marcas comprometidas e consumidores conscientes que tornam a sustentabilidade o foco principal dessa semana de moda, especialmente através de algumas atitudes que você vai conhecer em seguida e que são de suma importância para o futuro da moda e da nossa sobrevivência.

 

2022 chegou – o que esperamos da moda daqui para frente

03.01.22 | Get Inspired By Lifestyle


 

A cada ano pensamos em resoluções, objetivos e tarefas para alcançarmos, quase sempre de maneira muito pessoal. Mas em tempos em que diversos eventos nos atingem como um todo, nos obrigando a pensar e agir em prol da coletividade, nossas resoluções, objetivos e tarefas que se renovam todo o dia 01/01 também deveriam ser projetados no âmbito social. Tendo isso em mente, um dos nossos principais desejos para 2022 é que a moda, de fato, se torne um lugar de transformação e locomoção social através do reconhecimento justo, urgente e genuíno de talentos verdadeiros e plurais, de origens plurais. Estamos falando especificadamente da moda por ser nosso principal instrumento de trabalho, por vivermos suas diversas ramificações todos os dias. E quanto mais analisamos e falamos sobre moda, mais percebemos a necessidade de se ocorrer essa revolução. Testemunhamos, sim, algumas evoluções nesse campo, especialmente na última edição da SPFW, muito mais democrática e diversa. Mas ainda caminhamos a passos infantis nessa mudança. Quantos talentos são ignorados e anulados por conta da prática ultrapassada (e tóxica) de diversos veículos darem preferência a nomes (e sobrenomes) que já fazem parte de uma estrutura dominante a fim de que essa bolha permaneça fechada em detrimento de profissionais realmente sérios e detentores de conteúdos e bagagens relevantes que poderiam contribuir de maneira exponencial para o crescimento e amadurecimento da moda brasileira? O que nós desejemos, é que haja um compromisso sério entre a moda e a diversidade. Colocar uma modelo negra e uma pessoa gorda para a imagem de uma campanha não configura comprometimento com uma moda mais diversa. Nós queremos que essas pessoas e tantas outras que fogem da estética branca/sudestina/nomes-compostos-importantes ocupem cargos de liderança dentro da indústria e que ganhem destaque além de uma imagem esporádica. Nós queremos que pequenos produtores, artesãos e artistas não sejam surpreendidos ao verem seus trabalhos descaradamente usurpados por grandes nomes sem qualquer crédito ou o justo redirecionamento do lucro. Nós queremos não só corpos e cores diversos, mas queremos vozes diversas também. E que essas vozes sejam altas e reverberem e gerem impacto. Em um mundo onde eventos tão grandiosos atingem a humanidade de forma tão desafiadora, ainda que cada um viva suas experiências subjetivamente, é urgente que a moda comece a trabalhar em favor do coletivo. Nós desejamos que o “viver de moda” seja uma realidade para esses profissionais. Que eles ganhem de maneira justa por seus trabalhos, que as marcas já consagradas no mercado esqueçam do “pagamento” através de permutas ou simples menções, e de fato se envergonhem de um dia terem exercido tal prática. Ética, remuneração justa, ambientes de trabalho saudáveis e plurais. Será pedir muito?

desvendando a potência de ANGELINA JOLIE

29.10.21 | Get Inspired By Lifestyle moda pra pensar


 

Atriz, cineasta e ativista humanitária, Angelina Jolie tem uma força gravitacional que nos coloca no lugar metafórico dos satélites que apenas orbitam em seu magnetismo. Mas qual a razão dessa potência? Atriz, cineasta e ativista humanitária são apenas alguns dos papéis que Jolie exerce e que exerce com plena entrega. Talvez é nesse ponto que podemos começar a desvendar o mistério da sua importância.

 

 

Uma sociedade patriarcal controla e induz a mulher a escolher um papel de protagonismo para sua vida – ou a mãe, ou a profissional, ou o símbolo sexual, ou a filantropa, ou a erudita, ou a divertida – caso contrário ela poderá sofrer consequências desastrosas representadas pelo isolamento, pelo preconceito, pelo esquecimento e até por vias mais violentas. A mulher que escolhe prosperar na carreira não pode ser uma boa mãe. A mulher que se destaca pelo corpo certamente não pode ser muito inteligente. A mulher que se entrega à caridade possivelmente não é atraente, assim como a mulher inteligente. Bonita, inteligente, mãe e ativista, consegue pensar em alguém que tenha exercido esses papéis com entrega plena? Diana Spencer – que sofreu consequências desastrosas por ousar trocar o “ou” pelo “e”. A conjunção “ou” indica uma escolha ao invés da outra. No caso de Jolie, a conjunção “ou” não é uma escolha em sua narrativa de vida e possivelmente a troca do “ou” pelo “e” na narrativa de vida de muitas mulheres passou a ser possível também pela sua figura e de tantas outras que escaparam da armadilha social da constrição e do encaixotamento dos papéis femininos.

 


 

Jolie foi uma das mulheres que mostrou que é possível contornar a emboscada patriarcal do papel único ou pelo menos do papel dominante. A mãe, a filantropa, o símbolo sexual, a culta, a profissional, a famosa e a capacidade de performar em tudo isso com potência igualitária. Claro que não podemos deixar de lado seus privilégios e sua aparência, que certamente contaram para a pavimentação uniforme desse caminho. Uniforme, porém certamente caótica, como é para todas as mulheres. O diferencial de Angelina é que esse confronto silencioso das amarras sociais se dá com a união de aparência e ação. Ela é uma escolha não convencional de “exemplo” por se fazer plural e poder exercer sua pluralidade sozinha. Aqui entra o “ou”. A figura masculina passa a ser uma alternativa, mas nunca uma necessidade. Suas escolhas criteriosas de carreira demonstram seu poder de relevância mesmo com o passar dos anos e reforçam suas prioridades familiares e humanitárias, o que solidifica sua potência.

 

 

 

Ela é o que chamamos de um tipo ideal de figura feminina justamente porque possibilita a projeção de acessos plurais a outras mulheres. E como as reticências são mais interessantes que o ponto final, Jolie lançou recentemente o livro Know Your Rights and Claim Them. Voltado para o público jovem, o livro tem como objetivo auxiliar e empoderar através do conhecimento e da educação sobre direitos básicos para a construção de uma sociedade igualitária. Não podemos nos esquecer que com dinheiro e uma rede de apoio competente, o acesso e a performance em diferentes papéis se tornam mais viáveis, mas por outro lado tornam-se também dispensáveis, ainda mais os papéis espinhosos e burocráticos. Aqui encontramos outra dica da razão da potência de Jolie: a escolha por multiplicar seus “es” para muito além do próprio benefício.

 

a.camisa + araras | confira a nova coleção

12.08.21 | Get Inspired By Lifestyle Look da Paula


 

Quem conhece a marca a.camisa da Paula sabe que as peças não seguem um calendário fixo de lançamento. Isso porque a a.camisa é baseada no princípio do slow fashion, que preza pela qualidade, exclusividade e principalmente pela experiência do cliente. Exemplo disso são as parcerias que já foram firmadas entre a marca e diversos nomes importantes tanto do mercado da moda quanto das artes, o que torna as peças ainda mais especiais. Então quando a a.camisa foi convidada para participar de um projeto tão único quanto o da loja Araras, a Paula sentiu que era o momento de uma nova coleção. A Araras é uma multimarcas excepcional que possui uma curadoria ímpar de produtos interessantíssimos, que vão desde roupas e calçados até objetos de decoração.

 

 

E para alinhar o storytelling da a.camisa com o manifesto da Araras, a Paula criou quatro modelos de camisa inspirados pela alfaitaria masculina e pela sofisticação atemporal deste universo. Os detalhes encontrados em cada uma das peças exploram essa atmosfera masculinizada, porém suave. São nervuras, golas estruturadas, modelagens levemente desprendidas, ombros delicadamente pontuados e estamparia clássica. Apesar dessas referências mais tradicionais, as camisas são pensadas para uma mulher contemporânea, que preza pelo conforto, mas não abre mão de deixar clara sua identidade através do estilo.

 

 

Todos os quatro modelos a.camisa já podem ser encontrados na Araras, que fica no primeiro piso do Shopping JK Iguatemi. Vale muito a pena conhecer esse universo Araras e todos os itens cuidadosamente escolhidos pelo competente time da loja.

 


 

 

Lembrando que estes modelos são encontrados somente na Araras, mas você pode conhecer as outras peças através da nossa loja virtual
 
Araras
Av. Pres. Juscelino Kubitschek, 2041, piso I

Análise de estilo – EMILY RATAJKOWSKI

05.08.21 | Get Inspired By Lifestyle Styling


 

O estilo sensual, como o próprio nome sugere, tem características muito explícitas dos códigos de sedução, poder e dominação – e aqui não estamos falando do âmbito sexual dessas definições. Este é um estilo pessoal bem familiar para grande parte das brasileiras que, até pelo clima do País e por nossa personalidade, apreciam este jogo de revelações do corpo através das roupas e de alguns elementos de design que fazem parte deste pacote, como decotes, fendas, transparência, texturas brilhantes, cores profundas, animal print, materiais densos e marcantes como couro e vinil, etc. A atriz e modelo americana Emily Ratajkowski é um exemplo prático perfeito desse estilo, mas em seu caso existem alguns diferenciais que tornam seu visual muito mais atual e ajustado com a definição da sensualidade contemporânea. No caso de Emily, são duas as peculiaridades que distinguem a sensualidade da sua figura: a manipulação inteligente do que deve ser mostrado e do que deve ser escondido junto com a habilidade em unir características estéticas opostas ao estilo sensual de forma tão orgânica. O corpo à mostra através de decotes e comprimentos encurtados ganha equilíbrio com a junção de peças utilitárias e volumosas ao visual; itens de shape ajustado que revelam os contornos da silhueta seguem para um lado mais descontraído quando finalizados com tênis ou botas de aspecto dramático; a alfaiataria pode ser reveladora nos recortes, mas tem dimensões amplificadas e equilíbrio de proporções. Acessórios e itens de complementação também são explorados a fim de modernizar a veia sensual de Emily. Tênis robustos, bolsas compactas e estruturadas que adicionam sofisticação ao visual, cores de baixa intensidade, casacos amplos e ricos em textura e acessórios pesados que trazem uma força à composição final. A atriz mostra que drama e casualidade formam o arremate perfeito para atualizar os atributos sensuais e propõe uma narrativa singular de modernização, com muito senso estético e sem descaracterizar a potência magnética deste estilo.

 

fall 21 COUTURE | o luxo clássico e a relevância da semana de alta-costura

15.07.21 | Lifestyle Moda Semanas de Moda


 

Em um período tão desafiador é normal e esperado que nos questionemos sobre prioridades, relevâncias e o papel das coisas em nossas vidas, seja no âmbito subjetivo ou para a coletividade. Nesse sentido a semana de alta-costura – super exclusiva e feita para uma parcela ínfima da população – pode parecer deslocada da realidade, ainda mais da nossa realidade atual, mas a gente pode fazer um exercício e pensar um pouco além disso. Para nós é óbvio mencionar o papel escapista que a moda performa e que é de extrema importância para períodos em que um alívio mental é necessário. Ainda mais quando tratamos de alta-costura, onde a função imaginativa da moda é ainda mais potente, nossa condução para um lugar de escapismo através da observação e da admiração, tanto em relação à técnica quanto à beleza das criações, é inevitável. Nesse contexto ainda temos o desenvolvimento criativo dos próprios estilistas. A temporada de alta-costura é o ambiente fértil para a inovação, para o vanguardismo e até para a piração. É aqui que os designers exercem suas expertises técnicas aliadas aos projetos imaginativos livres de limitações. Fato é que o mundo aos poucos está voltando ao normal (especialmente no hemisfério norte) e com uma profusão de discussões a respeito do papel da moda daqui pra frente junto com uma realidade em que diversas marcas têm buscado mudar seu direcionamento estético para algo que acreditamos ser mais condizente com a realidade (leia-se criações modestas, confortáveis, que priorizam a performance e com pouca margem para um estilo diferenciado), é esperado que um caminho totalmente diferente seja tomado quando o clima é propício para tanto. E nessa temporada de alta-costura, foi justamente o que aconteceu. Nesse lugar onde a inovação e a generosidade não têm um limite orçamentário, o luxo imperou. Mas não estamos falando de qualquer variação contemporânea a respeito da definição de luxo. Aqui o luxo é o que é e ponto. Sem desculpas. Todos aqueles códigos que atravessam a história e que formaram a concepção clássica do que é luxuoso podem ser encontrados aqui. Volume, brilho, exuberância, pele (fake, obviamente, já que até o luxo mais tradicional é passível de adaptação), joias, luvas, chapéus, scarpins de bico fino. O luxo pelo luxo na sua representação mais clássica teve uma retomada significativa nessa temporada que visa, além do escapismo, a clara mensagem de que ninguém aguenta mais a escassez – financeira, de escolhas, de autonomia sobre as mais simples decisões, de respirar… – é a abundância mostrada através de códigos de riqueza e por mais que não nos seja sequer alcançável o produto da alta-costura, sua mensagem é democrática e nos atinge em cheio. Que venham os tempos abastados!

 

FALL 21 RTW | A coleção da LACOSTE e o que esperamos do visual do FUTURO

27.05.21 | Lifestyle Moda moda pra pensar


 

No fim deste mês a Lacoste apresentou sua coleção fall 2021 e deu continuidade à estética esportiva ousada que Louise Trotter, sua diretora criativa desde 2019, vem empregando para ressignificar a rica herança da marca. O visual utilitário comumente associado à Lacoste foi elevado a outro patamar com a chegada de Trotter, que emprega muito de sua própria imagem pessoal para definir essa nova atmosfera da marca, muito mais condizente com os dias atuais. Mas muito além da imagem mais arrojada, a Lacoste vem mostrando criações consistentes e coesas, fornecendo um verdadeiro storytelling aos consumidores e amantes da moda e se adequando ao que esperamos que seja o visual do futuro. Para esta temporada, Trotter refletiu sobre como podemos encaixar uma vida ativa com os compromissos do dia a dia, como trabalho, lazer, estudos, vida doméstica etc. Muito mais do que performance, no entanto, a coleção da Lacoste oferece acolhimento através das formas amplas e dos comprimentos abundantes que sugerem a proteção do corpo através do ato de escondê-lo. Além disso, vem a questão do conforto associado ao desejo do visual montado, com informação, notabilidade, riqueza de detalhes e beleza. É a diferenciação do que nos é seguro e familiar através da descontração de algumas experimentações. Um trench coat opulente ali, uma sobreposição inusitada aqui, um chinelo combinado com meias acolá. É através do traquejo e de um olhar alternativo sobre o armário que se cria o “novo conforto”. O visual proposto por Trotter ainda se diferencia por ser totalmente agênero e sustentável, já que muitas das peças foram produzidas a partir de outros itens e materiais de coleções passadas, o que pesa ainda mais para tornar o ato de se vestir muito mais sobre experiência do que simplesmente uma composição visual.