Monocromáticos TERROSOS

25.02.21 | Moda Semanas de Moda Tendências


 

Os tons terrosos já se tornaram um clássico e ao menos uma peça com essa característica pode ser encontrada nos mais diversos armários. Essa é uma família sofisticada de cores e devido a sua grande variedade de nuances seu uso é bastante versátil, já que todas elas combinam perfeitamente entre si, o que possibilita um maior aproveitamento do guarda-roupas. As apresentações da temporada fall 2021 reviveram os tons, como é de se esperar até pela própria natureza da temporada, mas de uma maneira um pouco mais moderna. Looks monocromáticos são considerados criativos e corajosos, já que dependendo do tom escolhido o visual pode ficar bem marcante. Mas uma produção monocromática feita somente com tons terrosos é capaz de manter essa diferenciação sem, no entanto, exagerar na dose de teatralidade. Muito pelo contrário. Justamente por se tratarem de cores que possuem uma essência naturalmente sofisticada, existe um equilíbrio entre a dramaticidade inerente ao look monocromático e a elegância desses tons. Outra característica que notamos nesse movimento monocromático terroso, é em relação aos materiais das peças que, em sua maioria, são mais densos. Couro, camurça, lâ, pelos, sarja e uma alfaiataria mais encorpada trazem ainda mais modernidade ao caráter tradicional dessas cores.

 

Decorativismo 70’s

18.02.21 | Moda Semanas de Moda Tendências


 

Como você viu na semana passada, nós aqui do escritório já estamos de olho nos movimentos da temporada fall 2021 (caso tenha perdido a primeira análise, clique aqui) e conforme as apresentações vão acontecendo, nós conseguimos captar diversas referências para geramos nossos conteúdos. Dessa vez, com a NYFW acontecendo (mesmo que em grande parte remotamente), percebemos um movimento que enaltece a estética da decoração dos anos 70. Pense nos papéis de parede, na tapeçaria, nos estofados, nas cores e nos materiais que eram utilizados na época para o decor das casas e veja nosso moodboard abaixo que você notará as semelhanças, que também remetem ao próprio design das roupas setentistas. São tons terrosos mais opacos, florais, xadrezes e paisley nas padronagens e texturas mais densas e marcantes, como o jacquard, o veludo, a lã, o jeans e o lamê, aplicados em calças com barras mais amplas, vestidos de comprimento midi, macacões e peças com golas mais fechadas. O visual aqui não faz só uma alusão ao período, mas se mostra quase literal e tem essa atmosfera vintage que se relaciona também com as peças encontradas em brechós.

 


fall 2021 RTW | Sobrevivência

11.02.21 | Moda Semanas de Moda


 

As apresentações da temporada fall 2021 RTW começaram e já conseguimos perceber um movimento importante que permeou a essência da maioria das coleções até este momento. Sabemos que estamos em um período delicado em diversos setores da sociedade a nível mundial. Questões ambientais sérias, ascensão de um conservadorismo nocivo e limitante, a iminência de conflitos relevantes, instabilidade econômica, violência e, obviamente, uma pandemia. São diversos cenários pouco otimistas que contribuem, também, para que a moda se ajuste a este visual que sugere a sobrevivência nos mais diversos níveis. Ao que tudo indica, o clima otimista que inúmeros designers propuseram na temporada spring 2021 apresentada no final do ano passado foi colocado em modo de espera, ao menos nessas primeiras apresentações. O visual é pós-apocalíptico. Construções e sobreposições extremas indicam a ideia de se usar tudo o que for preciso e de uma vez. A mensagem inicial pode ser de uma vida nômade, onde é necessário carregar consigo o que for essencial para sobreviver, mas se analisarmos a fundo, a ideia é de segurança – usar o que nos remete a um lugar de conforto para manter a sensação de pertencimento onde quer que você esteja. Para captar esse mood, veja as coleções da Lameire, Y/Project e Wooyoungmi. A sobrevivência explorada aqui também faz alusão aos games, como é o caso da Balenciaga, que inclusive lançou um jogo junto com a coleção. A ideia de um mundo dominado pela tecnologia que pode a qualquer momento controlar os passos da humanidade já foi explorada à exaustão pelo cinema e pela literatura e o cenário catastrófico de Matrix, Exterminador do Futuro, Admirável Mundo Novo, Fahrenheit 451 e tantos outros também parece ter servido de referência para as coleções da Vetements, Eytys e Rhude. Já na Myar, o conceito é de ressignificação. Os casacos e os calçados que parecem ter sido feitos de última hora apenas com materiais que estavam ao alcance dão um clima pré-histórico ao visual, mas também levantam questões ambientais – reciclagem, upcycling, otimização para um consumo menor, segunda mão etc. Sobreviver também pode ser interpretado como se resguardar. O conforto das roupas típicas da permanência no lar entra neste movimento e pode ser visto nos shootings da Thakoon e da The Row, de clima seguro, familiar e intimista. De maneira concisa, essa atmosfera engloba roupas com características utilitárias, estampas camufladas, styling que cobre o corpo e sugere proteção, tecidos tecnológicos, mensagens fortes que desafiam ideais retrógrados, estética de gênero fluído e peças “para ficar em casa”. Obviamente a ideia de sobrevivência deste movimento é muito mais abstrata (assim esperamos). Esta concepção representa nossas batalhas e nossos modos de resistir de maneira subjetiva – seja enfrentando, seja se retraindo, não existe certo ou errado quando tratamos de sobrevivência.

 

 

spring 2021 COUTURE – a segunda parte das nossas análises dos desfiles da semana de alta-costura

04.02.21 | Moda Semanas de Moda


 

Masculino e feminino, festa, subversão, loucura. A segunda parte do nosso ponto de vista sobre os desfiles da semana de alta-costura traz um bloco de apresentações que se destacam não só pela inovação, mas principalmente pelo questionamento do que significa couture nos dias atuais e frente a tantos problemas. O que os estilistas buscam, no final das contas, é o mesmo que nós. Quando nos vemos na mesma situação, ainda que em circunstâncias diferentes, voltamos nossos olhares para o que realmente importa, de maneira subjetiva. Um livro, a saudade da aglomeração, a manutenção da esperança de que tudo vai melhorar, a beleza nas coisas ou nos conceitos triviais ou na pior das hipóteses que é quando nada mais nos inspira, simplesmente mantemos o foco em não enlouquecer. São pensamentos e atos potentes que surgem frente à situações sérias e que nos mantém vivos. E é exatamente o espectro desses atos e pensamentos que inspiraram os designers desta segunda matéria sobre os desfiles haute couture. Se você ainda acha que moda é futilidade, sugerimos uma reinterpretação dessa objeção e te convidamos a pensar e associar o que acontece em um simples evento como é o desfile com o que acontece a no mundo, hoje.

 


spring 2021 COUTURE – a primeira parte dos desfiles da semana de alta-costura de Paris

28.01.21 | Semanas de Moda


 

A semana de alta-costura de Paris finalmente chegou para nos trazer o escapismo necessário em tempos sombrios. Muito se discute sobre a relevância de uma semana de moda feita para uma clientela diminuta e privilegiada, mas a verdade é que a alta-costura, por mais que seja uma realidade não só inacessível, mas inimaginável para a maioria de nós, representa essas criações que manifestam de forma exponencial toda a expertise, criatividade e ousadia (ou não) dos poucos estilistas que compõem o calendário. Além das criações pautadas pelo tradicionalismo, tivemos boas surpresas no que diz respeito à inovação, especialmente na Schiaparelli e na Valentino. Confira a primeira parte das nossas impressões dos desfiles de alta-costura desta temporada.

 

S/S 2021 V – Alfaiataria ampla

28.10.20 | Moda Semanas de Moda Tendências


 

Que o conforto foi uma das características de vestuário que mais ganhou protagonismo nos últimos tempos não há dúvidas. Com o período de confinamento e a vida profissional acontecendo de casa, não faria sentido que ao menos uma parte da composição visual não prezasse pelo conforto. A rotina, no entanto, está se normalizando aos poucos e o conforto ainda será um atributo essencial para a edição visual de muita gente, mas de uma forma alinhada com o que se espera de uma produção de atmosfera profissional, por mais informal que seja o ambiente de trabalho. Unindo o aconchego dos tecidos leves e dos volumes amplificados com a sofisticação inerente à alfaiataria, este movimento se enquadra perfeitamente no equilíbrio entre o desejo de liberdade de movimentos e a polidez contemporânea dos conjuntos femininos. As nuances de modernidade ficam por conta dos detalhes: cores delicadas, que sugerem calma e positividade e que geralmente não são usadas na alfaiataria, truques de styling marcantes, materiais nobres de textura reluzente, assimetria etc.

 

S/S 2021 IV – Bright Yellow

27.10.20 | Moda Semanas de Moda Tendências


 

O amarelo é uma cor que muita gente ainda evita em peças de composição principal do look, ainda preferindo apostar em acessórios, bolsas e sapatos no tom. Mas a cor vem sendo vista em diversas variações já há algumas temporadas. Durante as estações mais amenas, o mostarda costuma aparecer mais e na temporada de calor, os tons mais claros do amarelo é que ganham protagonismo, a exemplo da variação que chamamos de butter e se trata de um movimento para o verão 2020/21. Mas para a próxima temporada primavera/verão (aqui no hemisfério sul, em 2022) tons mais vibrantes do amarelo aparecerão não apenas nos detalhes do look, mas nele todo. Seja em peças únicas, como vestidos e macacões, ou conjuntos inteiros e compostos por mais de três peças, o amarelo mais brilhante chega para sugerir otimismo, esperança e energia para seguir em frente – mensagens mais do que bem-vindas para o nosso período.

 

S/S 2021 report III – Engajamento

26.10.20 | Moda Semanas de Moda Tendências


 

Um dos principais papeis da moda é refletir o espírito de seu tempo. Portanto, é muito difícil que uma marca que leve essas funções sociais da moda a sério não adeque sua coleção à atmosfera dos acontecimentos. No hemisfério norte temos alguns eventos políticos (a exemplo das eleições dos Estados Unidos) que definirão muitas coisas importantes dependendo do resultado. Convidar o consumidor a refletir sobre o futuro politico de seu País e do mundo, por consequência, é apenas uma das formas de engajamento que encontramos nos desfiles e apresentações recentes, que se valeram de frases ou palavras de efeito para cumprir o papel. Além da conscientização política, palavras de otimismo também são importantes para o momento de inseguranças que vivemos, afinal, moda também é escapismo e inspiração pelo belo.

 

S/S 2021 report II – A vida à tiracolo

23.10.20 | Moda Semanas de Moda Tendências


 

Cada vez mais a nossa vida precisa estar conectada. Com a tecnologia fica quase impossível dissociar a vida pessoal da profissional e com as flexibilizações em relação aos locais de trabalho, horários, dress code etc., essa relação fica cada vez mais estreita. Talvez esse seja um dos motivos para que as bolsas da temporada spring 2021 aparecessem em suas formas mais superlativas. Mudanças climáticas, compromissos surpresa e a possibilidade de emendar o trabalho com o lazer são algumas das situações que pedem maior atenção com o que levamos na bolsa, requerendo, portanto, um modelo que se adapte a essa rotina mais agitada, especialmente quando tivermos total liberdade de sair de casa.

 

S/S 2021 report I – Branco Utilitário

22.10.20 | Moda Semanas de Moda Tendências


 

Quem nos acompanha há algum tempo já sabe que um dos trabalhos do escritório é elaborar relatórios antecipando os movimentos da moda para as próximas estações. É um serviço complexo, que requer bom olhar, sensibilidade, conhecimento de moda e informação sobre assuntos gerais, até para que possamos detectar o movimento e entender porque ele está acontecendo. Durante essa semana e a próxima nós vamos dar uma amostra de como funciona esse trabalho aqui no escritório e vamos fornecer um pequeno dossiê das microtendências que observamos durante esta última semana de moda. Vamos começar com o movimento BRANCO UTILITÁRIO. Quando pensamos em um visual composto apenas de peças brancas geralmente lembramos da alfaiataria de qualidade dos ternos femininos, do caimento impecável que sempre é requerido nos manuais mais antigos de como usar branco dos pés à cabeça e dos looks infalíveis e sofisticados de verão com peças amplas e fluídas. Quando tratamos de itens ligados ao movimento do utilitarismo – que anda tão em alta já há algum tempo mas principalmente agora neste momento pandêmico – é normal que nos venha a cabeça os tons ligados a estas roupas e acessórios que têm esse mood, como os cáquis, verde-oliva, terrosos, mostarda, acinzentados etc. Mas o que vimos nesta última temporada de desfiles é que o utilitário, geralmente de atmosfera mais densa por conta dos detalhes, ganha suavidade e uma dose minimalista com o branco. As roupas versáteis e que podem sofrer modificações através de bolsos, zíperes, botões, fitas, fivelas e que possuem essa aura aventureira e por vezes militarizada avançam alguns degraus na sofisticação com a adição do branco. Já falamos por diversas vezes aqui que as peças que promovem uma junção de performance e conforto ganharão cada vez mais atenção das marcas e dos consumidores por conta do nosso momento atual, portanto, esse movimento se mostra pertinente pelo design e essência, mas também bem-vindo pela beleza e pelo refinamento que o branco proporciona.