spring 24 COUTURE | pt. II

24.01.24 | Semanas de Moda


 

 

Se esta temporada de alta-costura celebra a feminilidade, ninguém melhor do que o estilista para reforçar o coro. Inspirado pelas possibilidades da personalidade feminina que podem ser moldadas e mostradas de diferentes maneiras em nosso visual através de roupas, acessórios e maquiagens, Mabille traz uma cartela de cores sóbria e sofisticada que não lhe é tão habitual e foca no design potente dos vestidos que usam ternos, camisas e trench-coats como referência, blazers de corte preciso e casaquetos estruturados combinados com o romantismo das pedrarias delicadas, das rendas finas, dos laços e babados agigantados e das modelagens fluídas.

 

 

 

Para o estilista francês, a alta-costura é sinônimo de técnica, tradição e transmissão. Isso significa que apesar da manufatura precisa, das inúmeras regras a serem seguidas e do design singular, as criações desse nicho devem também seguir os movimentos atuais, seja da moda propriamente dita ou do que ocorre ao redor. Nessa temporada Rolland refletiu sobre um novo mundo, mais sereno e unido. Tons desérticos aliados a volumes dramáticos formam a coleção, que traz vestidos esculturais com intervenções de alto valor artístico e em formas orgânicas.

 

 

 

Sendo um dos estilistas preferidos nos tapetes vermelhos das principais premiações, Armani apresentou sua coleção de alta-costura no dia em que foram divulgados os nomes que irão concorrer ao Oscar desse ano. Certamente o que foi visto na passarela também será visto no evento, já que as peças apresentadas possuem uma beleza clássica e ao mesmo tempo entusiasmada que dificilmente passará despercebida. Sem uma referência óbvia, Armani se atém aos seus próprios códigos e brinca com as possibilidades de sua trajetória. Dessa vez o estilista trouxe uma vibração mais alegre à alta-costura em peças de tons mais vibrantes pontuadas por bordados precisos e aplicações elaboradas unidas à delicadeza de shapes soltos, rendas finas, plissados leves e camadas de tecidos em cortes geométricos.

 

 

 

Para o aniversário de 10 anos de sua marca, o estilista só teve uma direção em mente: a sustentabilidade. Práticas sustentáveis pautam o trabalho de van der Kemp desde sempre e suas criações de valor artístico indiscutível mostram que é possível fazer o luxo de formas alternativas. O estilista nesta coleção reutiliza materiais das mais diversas origens que se transformam em peças únicas, que transmitem ao mesmo tempo ares aristocráticos e rusticidade. O cru e o elaborado se unem em um design experimental que reflete a energia caótica em que nos encontramos como sociedade, aliado a reflexões sobre crises climáticas e a influência cada vez mais presente da inteligência artificial em nossas vidas. Essa mistura que serviu de base para o estilista se materializou, segundo o próprio, em uma coleção intuitiva e sensível ao presente.

 

 

 

A riqueza dos bordados e intervenções preciosas são uma marca do estilista, mas nessa temporada sua proposta se envereda por um caminho mais teatral. As estruturas metálicas usadas em vestidos de modelagem lânguida e esvoaçante atuam quase como uma armadura nas peças e trazem um ar mais rústico e potente para a coleção. Com uma atmosfera que remete ao universo estético marroquino, os vestidos-coluna são adornados com capas e possuem cintura marcada, fendas acentuadas e decotes profundos para reforçar a inspiração. Os detalhes em malhas metálicas, tranças, contas, pedras e toda sorte de adornos em formas geométricas, além da paleta solar e dos recortes típicos das padronagens decorativas encontradas na região, remetem à arquitetura marroquina e ao estilo de vida desértico.

 

deixe seu comentário



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *