A alta-costura da Dior e os novos tempos

07.07.20 | Semanas de Moda Vídeos


 

Christian Dior Fall 20/21 Couture
Nesta atípica apresentação da coleção de alta-costura da Dior, a estilista italiana Maria Grazia Chiuri opotou por mostrar suas criações através de manequins em miniatura. Em meados dos anos 40, após a devastação da Segunda Guerra Mundial era assim que os grandes costureiros franceses apresentavam suas coleções, tendo em vista a escassez de matéria-prima e a recessão que diminuria significativamente o numero de clientes dispostas a pagar por uma roupa feita sob medida. Foi neste período, inclusive, que Christian Dior criou o chamado new look através de sua Bar Silhouette, que injetou novamente o glamour dos tempos pré-guerra na moda e trouxe novo fôlego de otimismo e de escapismo para o mundo que se recuperava de tamanha tragédia. Não à toa, Maria Grazia buscou reinterpretar a elegância do período inicial da maison Dior, com vestidos extremamente trabalhados, impecáveis conjuntos de materiais nobres e densos, recortes e modelagens mais conservadores e o perfume ultra feminino e sofisticado típico do final da década de 40. Além dos manequins em tamanho de boneca, a coleção foi apresentada ao mundo através de um curta-metragem de ares surrealistas intitulado Le Mythe Dior, dirigido pelo italiano Matteo Garrone. A película tem atmosfera fantástica, cheia de seres mágicos atribuídos à natureza, como ninfas, sereias, fadas e mulheres saídas de conchas. É de fantasia que precisamos agora.

 

 

 

 

 

Alta-costura democrática
Certamente esta é a temporada de alta-costura mais democrática de que se tem notícia. Por mais que existam as transmissões em tempo real feitas pela própria marca ou pelos convidados que atendem ao desfile, existe a abismal diferença entre presenciar um show dessa categoria in loco e através de uma tela. Nessa temporada, no entanto, todos tiveram o mesmo acesso às apresentações, recebendo ou não um convite personalizado. Imaginar que grandes nomes da moda estavam dentro de suas casas, escritórios e ateliês assistindo ao desfile da Dior (assim como qualquer outro desfile dessa semana) nos coloca no mesmo patamar desses espectadores, com única diferença da peculiaridade do olhar. Portanto, por mais exclusiva que seja uma semana de moda de alta-costura, dessa vez houve a rara diferenciação pela igualdade de acesso.


 

 

 

 

 

 

 

Escapismo
Em tempos de isolamento, incertezas, recessão e tristeza, qual é o papel de uma semana de alta-costura? Certamente esta é a temporada mais exclusiva do circuito fashion e ainda mais exclusiva quando pensamos que apenas uma parcela ínfima da população tem acesso de fato ao que é apresentado ali. No entanto, assim como a moda representa a realidade do tempo presente, também tem o papel lúdico da fantasia. Nossos olhos e nossos ouvidos se interessam por tudo que é belo. Isso é fato. Seja no campo das artes, da música, do cinema e, obviamente, da moda, o que consideramos belo nos proporciona uma forma de escape da realidade, por mais cruel que ela possa parecer. Assim como no período da Segunda Guerra, onde Christian Dior propôs uma nova onda de otimismo através de criações que se diferenciavam pela elegância que fora perdida na obscuridade (mesmo que estivessem fora da realidade para milhares de pessoas), as criações couture tem esse papel importantíssimo e cada vez mais necessário de nos fazer sonhar, de estabelecer uma conexão com o belo. Ignorar a importância de se ter contato com o fantástico (e aqui nós poderíamos inserir qualquer tipo de “fuga”), mesmo que isso esteja fora do nosso alcance, é se prender à monotonia do conformismo e das limitações. Se permita sonhar.

 

 

 

 

 

 

Especial #FIQUEMCASA | 25 filmes para entender a estética dos anos 80

02.07.20 | Vídeos


 

Na semana passada fizemos uma seleção de filmes com foco na moda dos anos 90 (se perdeu, clique aqui). Hoje nós vamos mostrar nossas escolhas de filmes que representam a estética dos anos 80. Muito mais do que moda propriamente dita, nossos eleitos mostram a atmosfera oitentista – seja na luz, na música, na decoração, cabelo, make, acessórios, falas, tribos, costumes etc. Também fizemos uma pesquisa mais aprofundada para uma lista mais diversa, não apenas com os blockbusters americanos e mais conhecidos da época (mas que também são importantes para a compreensão desse período), porque sair do cenário high school dos Estados Unidos é essencial para enxergar de fato toda a representação ocidental dos anos 80. Na lista você encontrará tanto os sucessos conhecidos como cults europeus que são indispensáveis para qualquer cinéfilo e que não necessariamente têm seu foco no figurino. Aproveite o tempo em casa para rever alguns clássicos e conhecer novos títulos, a partir dos quais você poderá se aprofundar ainda mais para ampliar seu repertório.

 

Footloose, 1984

 

 

Risky Business Official, 1983

 

 

Flashdance, 1983

 

 

Working Girl, 1988

 

 

Paris, Texas, 1984

 

 

Desperately Seeking Susan, 1985

 

 

Girls Just Wanna Have Fun, 1985

 

 

Pretty in Pink, 1986

 

 

Fatal Attraction, 1987

 

 

The Breakfast Club, 1985

 

 

St. Elmo’s Fire, 1985

 

 

Top Gun, 1986

 

 

Ferris Bueller’s Day Off, 1986

 

 

The Witches of Eastwick, 1987

 

 

Cocktail, 1988

 

 

Diva: Paixão Perigosa, 1981, Jean-Jacques Beineix

 

 

Asas do Desejo, 1987, Wim Wenders

 

 

Os Renegados, 1985, Agnès Varda

 

 

Scarface, 1983

 

 

Blue Velvet, 1986

 

 

Do the Right Thing, 1989

 

 

Atlantic City, 1980, Louis Malle

 

 

Betty Blue, 1986, Jean-Jacques Beineix

 

 

Le Pont du Nord, 1981, Jacques Rivette

 

 

O Raio Verde, 1986, Eric Rohmer

 

12 Composições para você experimentar nesse inverno

01.07.20 | Get Inspired By Street Style Styling


 

Que nós nos vestimos melhor no inverno é verdade, mas geralmente quando as temperaturas abaixam buscamos mais conforto térmico e menos estilo. Justamente por isso acabamos vestindo sempre aqueles looks curingas, que sabemos que vão nos deixar quentes e que são à prova de erros quando se trata de composição visual. Misturas de cores neutras e especialmente escuras, aqueles suéteres clássicos, o casaco que já está no seu armário há anos e calças de materiais mais densos, como jeans e couro, fazem parte do pacote clássico das produções invernais. Mas é possível ousar sem perder de vista a manutenção do calor corporal com essas doze propostas de composições diferenciadas e que vão dar um upgrade no seu look para esta estação.

 

15 Looks para experimentar o blazer oversize

24.06.20 | Get Inspired By Street Style Styling


 

Que o blazer é um item essencial do armário nós já sabemos, mas o que você pode fazer para variar seu uso e deixar o look muito mais despojado é explorar a peça em sua versão mais ampla, quase como se tivesse sido emprestada do closet masculino. O blazer oversize aparece bastante nas produções mais fashionistas ao redor do globo, torna qualquer visual cool e, dependendo da padronagem e da origem, injeta um perfume retrô que deixa tudo ainda mais criativo e interessante. Seja em um look total oversize, com equilíbrio de proporções ou mesmo combinado com outros itens de atmosfera sensual, o blazer mais largo é aquela terceira peça que vai finalizar seus looks com muito mais graça. Veja quinze produções que selecionamos para você se aventurar nos volumes mais dramáticos de uma peça tão clássica.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

SHOP

 

12 vezes que VIOLA DAVIS dominou o red carpet

23.06.20 | Get Inspired By Moda


 

Viola Davis é uma atriz consagrada, dona de papeis icônicos e prêmios importantes pelas suas atuações. Com um currículo de peso, claro que ela é sempre uma das figuras mais aguardadas dos red carpets das premiações e dificilmente decepciona. A atriz possui uma silhueta bem mais próxima da realidade do que a de muitas atrizes tidas como “padrão” e uma beleza de personalidade, o que faz a gente se identificar muito mais quando precisamos buscar referências de produções mais glamourosas. Separamos doze looks bem distintos entre si, mas que têm em comum o visual requintado que o tapete vermelho de grandes eventos pede.

 

 

O branco parece ser o tom preferido de Viola quando o assunto é red carpet. Seja em longos trabalhados, ternos bem cortados ou vestidos mais curtos, mas não menos formais, a cor cai muito bem para o tom de pele da atriz (já que promove um contraste impactante), além de suas escolhas assim serem sempre muito sofisticadas. Afinal, o branco chama mais atenção e é preciso se atentar a alguns detalhes para que o vestido não fique com cara de noiva ou marcando o corpo de uma maneira negativa. O look branco deve ser pautado pela qualidade – no tecido, nos trabalhos de intervenção, como bordados e aplicações e principalmente no caimento e nos acabamentos. Certamente todos esses detalhes são levados em consideração por Davis, que sempre aparece muito elegante na cor.

 

 

 

 

 

 

 

Vestidos com alto contraste, em especial o preto e o branco juntos, são uma escolha interessante e inusitada para eventos mais formais. Aqui a atriz opta não por estampas, mas por recortes, sobreposições de tecidos e assimetria, o que traz mais dinamismo para o vestido e para a silhueta.

 

 

 

 

Cores mais intensas também caem muito bem para o tom de pele de Viola, que parece segurar bem um alto contraste, como já vimos anteriormente. Além dos tons puros que dão mais impacto para suas aparições, o design das peças também é levado em consideração nas suas escolhas. Drapeados, misturas de densidade nos materiais, ombros e saias assimétricos, caimentos mais soltos e cintura levemente marcada são alguns dos elementos de design que fazem as produções mais coloridas da atriz brilharem ainda mais.

 

 

 

 

 

Especial #FIQUEEMCASA | 12 filmes para entender a moda dos anos 90

18.06.20 | Vídeos


 

Muitos movimentos importantes acontecem para que uma década seja caracterizada em termos de moda. Como sabemos, a moda anda ao lado de acontecimentos históricos, políticos e sociais, mudanças de comportamento, tribos, revoluções e até alterações climáticas. Certamente um dos períodos mais lembrados e revisitados pelas passarelas é a década de 90. Aqui tivemos transformações sociais importantes e movimentações culturais que viriam a influenciar a moda de maneira perpétua. Para entender um pouco desse caldeirão de tribos e referências que ocorreu nos anos 90, escolhemos doze filmes que retratam as principais mudanças estéticas que se deram na época. Temos o resquício do exagero oitentista que ainda permanecia no começo da década, passando pelo típico visual “mulheres ricas” que representava as abastadas clientes de históricas boutiques da Rodeo Drive, chegando às misturas de cores ácidas e texturas reluzentes com forte influência clubber encontradas na metade da época, ao visual minimalista e moderno que os estilistas japoneses trouxeram como resposta e, obviamente, à influência grunge – talvez a mais importante até hoje – finalizando novamente com os tons intensos, materiais brilhosos, recortes assimétricos e atmosfera futurista que a aproximação com os anos 2000 trazia. Aproveite este momento para ter uma aula sobre a moda dos anos 90 com essas películas que além de esteticamente lindas, são ótimas para passar o tempo.

 

Uma Linda Mulher (1990)

 

 

Viva! A Babá Morreu (1991)

 

 

O Guarda-Costas (1992)

 

 

Ready to Wear (1994)

 

 

Clueless (1995)

 

 

Empire Records (1995)

 

 

Jovens Bruxas (1996)

 

 

Romeo and Juliet (1996)

 

 

Romy and Michele’s High School Reunion (1997)

 

 

Um Crime Entre Amigas (1999)

 

 

10 Things I Hate About You (1999)

 

 

Nothing Hill (1999)

 

8 Maneiras de usar TIE-DYE durante o inverno

17.06.20 | Get Inspired By Styling Tendências


 

De tempos em tempos a padronagem tie-dye volta para o nosso radar fashion. No verão passado a tendência começou a aparecer novamente e continua para esta temporada de inverno. Apesar de geralmente ser colorido e associado aos looks para os dias de calor, o tie-dye cai muito bem nas produções feitas para as baixas temperaturas. Prova disso são os inúmeros vídeos que ensinam a técnica não só em camisetas, mas também em peças de moletom, tricô etc. Seja no look total ou em pequenos detalhes, vamos ensinar oito maneiras de usar a tendência para atualizar o look do inverno.

 

 

 

 

SHOP

 

Especial #FIQUEEMCASA | Os cursos da Paula que você pode fazer em casa

11.06.20 | Cursos Lifestyle Vídeos


 

Quem acompanha o trabalho da Paula já sabe que ela atua no mercado de moda há mais de 25 anos e divide sua expertise no assunto através de palestras, workshops e cursos presenciais. Mas essa experiência também é compartilhada através de cursos à distância em formato mais enxuto, porém não menos importante para quem busca se aprofundar no tema. Com o advento da quarentena os cursos estão com condições especiais de pagamento, portanto, aproveite o momento para se atualizar, mudar de profissão, ou simplesmente agregar novos conhecimentos ao seu currículo.

 

Formação em Consultoria de Imagem com Paula Martins

 

 

O curso de formação em consultoria de imagem com Paula Martins engloba uma abordagem teórica completa sobre a profissão, fontes para que você enriqueça seu conhecimento sobre moda, os meios contemporâneos de se exercer o serviço de consultoria e preciosas lições de negócio e empreendedorismo. O curso pode ser feito por qualquer pessoa que queira atuar nesse mercado, que seja apenas curiosa sobre o assunto e também por profissionais já formados, mas que buscam atualização no mercado e um novo olhar sobre o processo de consultoria. Para acessar o curso, clique aqui

 

Cobrindo as Semanas de Moda

 

 

Já este curso produzido em parceria com o Fashion Meeting fala sobre a experiência de se cobrir as semanas de moda de maneira técnica. A Paula já frequentou inúmeras fashion weeks como jornalista e divide com a audiência como funciona esse trabalho através de uma perspectiva mais profissional e menos glamourosa. Para acessar o curso, clique aqui

Especial #FIQUEEMCASA | 10 séries, filmes e documentários que abordam questões raciais

10.06.20 | Vídeos


 

Blackface, colorismo, segregação, racismo reverso, racismo estrutural, racismo institucional, feminismo negro, a solidão da mulher negra, antirracismo. Estas são algumas das palavras mais recorrentes neste período, mas a verdade é que já devíamos estar abordando esses temas há muito mais tempo. Em tempos de isolamento, aproveite para se inteirar dos assuntos que a militância negra aborda muito antes do movimento Black Lives Matter, afinal, informação é uma das principais armas para que uma mudança significativa nas estruturas sociais seja realizada. Para que você comece a se aprofundar no tema, selecionamos dez séries, filmes e documentários que exploram as questões raciais nas suas mais diversas nuances.

 

Olhos que Condenam

 

 

A minissérie aborda a historia real de cinco jovens do Harlem que são injustamente condenados pelo estupro e espancamento de uma jovem mulher branca em Nova York no anos 80. O programa mostra como esses jovens foram considerados culpados desde o inicio das investigações, que contou com uma série de abusos físicos e psicológicos, provas forjadas e depoimentos manipulados que culminaram na prisão do grupo.

 

Crooklyn

 

 

Toda obra do cineasta americano Spike Lee é obrigatória quando tratamos de questões raciais. Neste filme sensível, o diretor se volta para a sua própria infância em um bairro do Brooklyn e mostra de maneira lírica o cotidiano de uma família negra nos anos 70. Os longos diálogos que são mostrados neste (e em todos os filmes de Lee) são verdadeiras aulas sobre o tema.

 

Say Her Name

 

 

O documentário gira em torno da história da ativista Sandra Blend, que foi encontrada morta em sua cela após ter sido injustamente abordada e presa por uma ocorrência de trânsito. O programa mostra o racismo institucional da polícia americana, os abusos e a injustiça sofridos por Blend e sua misteriosa morte que foi considerada suicídio, mas que ainda é questionada por familiares e ativistas.

 

O Ódio que Você Semeia

 

 

O filme conta a história da jovem Starr, que apesar de residir em um bairro periférico, estuda em uma escola particular e predominantemente branca. O racismo incialmente sutil vivido diariamente por Starr e a morte injusta de um amigo pelas mãos de um policial branco despertam a jovem para as questões segregacionistas e a conduzem para um ativismo mais intenso.

 

Ó Paí, Ó

 

 

O filme protagonizado por Lázaro Ramos mostra de maneira quase cômica o dia a dia dos moradores de um cortiço em Salvador. O filme trata de diversas questões ligadas ao racismo e à pobreza e expõe a violência contra jovens negros. O discurso inflamado que o personagem de Lázaro faz sobre racismo em meio a uma discussão é um soco no estômago.

 

Selma

 

 

O filme é baseado nas marchas de Selma a Montgomery lideradas por Martin Luther King Jr. que ocorreram em 1965 e que buscavam garantir o direito de voto para todos os afro-americanos. A película aborda todas as tensões vividas pelo personagem principal a medida em que seu nome foi ganhando protagonismo e como suas lutas geraram resultados para tornar a vida da comunidade negra um pouco mais igualitária.

 

Corra!

 

 

Apesar de ser considerado um filme de terror, Corra! explora a questão do racismo velado e a objetificação e apagamento de homens e mulheres negros. O relacionamento de um jovem negro com uma garota branca e de família abastada é colocado em xeque através de diálogos e atitudes que beiram o surreal, mas que, infelizmente, sabemos que são comuns. O filme conta com diversos códigos sutis para abordar a questão racial e que valem uma busca aprofundada.

 

What Happened, Miss Simone?

 

 

O documentário retrata de maneira honesta a vida da cantora e ativista Nina Simone. Através de depoimentos e cenas raras, testemunhamos a vida turbulenta da cantora, que tentava alinhar sua carreira com seu engajamento pelos direitos civis. Uma mulher brilhante e de personalidade forte que ainda têm muito a nos ensinar.

 

Cara Gente Branca

 

 

Após uma festa universitária onde se pratica o blackface, Sam White (Logan Browning), através de seu programa de rádio que dá nome à série, fala de maneira franca sobre os problemas raciais vividos por um grupo de jovens negros no cotidiano de um ambiente universitário majoritariamente branco. O programa vai além do racismo e trata sobre a solidão da mulher negra, apropriação cultural, o mito do racismo reverso, colorismo etc.

 

Loving

 

 

No estado da Virgínia nos anos 50, o casamento inter-racial não é só proibido como passível de punição severa. O filme conta a história verídica de Richard e Mildred Loving, que enfrentam as leis segregacionistas da época para manterem seu casamento.

Especial #FIQUEEMCASA | 27 criadores de conteúdo para seguir, se inspirar e se informar

04.06.20 | Get Inspired By Lifestyle


 

Tendo em vista os mais recentes acontecimentos, não poderíamos simplesmente nos silenciar ou deixar que nossa indignação e nosso suporte ficasse restrito somente às redes sociais. É preciso mudar e dar visibilidade ao movimento negro não apenas quando tragédias e mobilizações em massa acontecem, mas sempre. Precisamos fazer a nossa parte em mudar essas estruturas que valorizam somente a estética branca, especialmente na moda. Reconhecer nossos privilégios, nos aceitarmos como parte de uma sociedade racista e estudar formas de combater o racismo é apenas o primeiro passo para essa transformação. Para que você também faça parte desse movimento de mudança, que deve ser encarado como um exercício constante, selecionamos 27 criadores de conteúdo negros que abrangem os mais diversos segmentos. São músicos, militantes, stylists, maquiadores, modelos, cantores, membros da comunidade LGBTQI+, homens, mulheres, influenciadores, celebridades, anônimos, advogados, filósofos, escritores, cineastas, estilistas etc. que vão diversificar o seu feed, propor novas estéticas e olhares e trazer informações importantes para sairmos da nossa zona de conforto e aprendermos mais sobre o racismo e como podemos combate-lo. O protagonismo não pode e não deve ser somente branco. Aproveite este período de isolamento para refletir, compreender, estudar e mudar seus conceitos e pré-conceitos. O auto reconhecimento como racista é doloroso, porém necessário para a busca de informações, que é apenas o primeiro (mas muito importante) passo para que a mudança na nossa sociedade seja perpétua.

 

@luandavieira

 

 

@artursantoro

 

 

@neggata

 

 

@valenttinaluz

 

 

@isaacsilva_br

 

 

@marcellomartns

 

 

@ritacarreiraa

 

 

@leididai.rainha

 

 

@preferreira

 

 

@mayaraefe

 

 

@badgalmiranda

 

 

@arethasadick

 

 

@suyane_ynaya

 

 

@lucigoncalvesa

 

 

@neyzona

 

 

@hilton_erika

 

 

@levikaiquef

 

 

@tievasconcelos

 

 

@natalyneri

 

 

@djamilaribeiro1

 

 

@elzasoaresoficial

 

 

@joiceberth

 

 

@prettamesmo

 

 

@magavilhas

 

 

@misslionhunter

 

 

@elianedias

 

 

@igiayedun