SPFW N. 48 | Projeto Estufa – Korshi e ÃO

15.10.19 | Semanas de Moda


 

 

Criado no SPFW 43, o Projeto Estufa tem como objetivo encontrar e dar visibilidade para novos nomes no mercado que estão repensando conceitos estéticos, meios de produção e formas de consumo de moda. Uma das marcas que faz parte desse projeto é a Korshi, que acabou de se apresentar na SPFW. Criada em 2018, a Korshi inova pelo design inteligente, pensando em roupas que se modificam e podem ser usadas de diversas maneiras apenas com pequenos ajustes. A versatilidade proposta pela Korshi faz com que cada peça seja otimizada por funções estéticas e combinações diferentes, o que, no final das contas, se torna uma maneira eficaz de diminuição de consumo de roupas.

 




 

Tecnologia e sensibilidade para uma estética contemporânea se unem em prol da sustentabilidade – questão urgente e amplamente discutida nessa temporada. Peças tradicionais, como o trench-coat e a saia midi foram repensadas e desconstruídas de modo a transformarem suas funcionalidades comuns, sendo adicionados recortes modernos, elementos de design inusitados e amarrações inovadoras.

 

 

Foi com um conceito de roupas unissex pautadas por cores e volumes que a estilista Marina Dalgalarrondo criou, em 2017, a ÃO. Baseada em São Paulo, a marca possui uma estética moderna, orientada por design excêntrico, texturas tridimensionais e construções modificadoras da silhueta. Suas apresentações são conceituais e unem arte e moda de forma orgânica e muito bem-vinda para o circuito nacional, geralmente mais comedido e comercial. Os volumes teatrais e o styling contemporâneo lembram os trabalhos de Rei Kawakubo e Demna Gvasalia (e nessa temporada ainda tivemos uma nuance de Iris Van Herpen), mas Marina possui assinatura própria e afiada para o futuro, uma visão estética irônica, diversidade honesta e criação habilidosa.

 




 

Nesta apresentação, as criações de Marina continham atmosfera fortemente orgânica e textura ao mesmo tempo fluída e ajustada que fez referência ao efeito da água sobre nossos corpos vestidos. Muito mais do a essência líquida, a ÃO parece ter buscado captar o próprio comportamento da água, caso pudéssemos vesti-la. O efeito ao mesmo tempo belo e impactante foi conseguido através de um hábil trabalho com o látex. Nas cores, os tons terrosos naturais dividiram a passarela com azuis mais suaves e verdes elétricos que trouxeram ainda mais vida à apresentação.

 



 
imagens: Zé Takahashi

deixe seu comentário



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *